Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...


17.12.22

Nunca percebi a razão de o meu pai, um dia, em meados dos anos oitenta, oferecer-me um livro de Hubert Reeves, “Um pouco mais de azul”.

Pela capa fiquei fascinado, com uma fotografia do Universo.

Ora “Um pouco mais de azul” é uma viagem sobre Universo e a sua história.

E tantos anos depois, não entendo porque o meu pai, na altura, queria que eu aprendesse um pouco mais sobre a história do Universo e pelas mãos “do poeta do espaço”.

O Universo para mim é infinito, frio e muito escuro. Portanto será difícil ou quase impossível alguém ou algo, que apelidam de Deus, ser o responsável de tamanha beleza.

O Universo e a poesia complementam-se, são infinitos, belos e habita em ambos o fascínio pelo desconhecido.

Depois de o ler, não sei se fiquei com mais dúvidas ou certezas; certamente com mais dúvidas.

De onde viemos. Para onde vamos. Quem somos.

Faz sentido tudo o que nos rodeia?

E não será apenas a função dos seres vivos, nascerem, crescerem e morrerem?

Então para que nascemos?

Nascemos para sofrer?

E se eu pudesse conversar com o primeiro ser vivo que habitou a Terra, será que ele satisfazia todas as minhas dúvidas ou pelo contrário, ainda ficava com mais dúvidas…

Mas o meu pai queria que eu estudasse um pouco mais sobre o Universo, e “Um pouco mais de azul” não me satisfez todas as minhas dúvidas, pelo contrário, aumentou-as.

E hoje percebo que brevemente serei apenas pó.

Um pequeno grão de areia.

 

 

 

 

Alijó, 17/12/2022

Francisco Luís Fontinha

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub