Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...


18.11.23

Roubava os pássaros do paraíso para te os oferecer, dava-te o mar, se eu pudesse, roubava o sol e a lua,

E todas as palavras que a lua inspirou.

 

Roubava a Primavera, para adocicar os teus lábios de mel, roubava as cores do Outono para pincelar os teus lindos e doces olhos de mar.

Roubava a noite, para que nunca tivesses insónias, enquanto pensas em mim,

Roubava o silêncio e vestia-o de beijos, roubava a madrugada, e vestia-a de margaridas, do meu jardim de papel,

Roubava os pássaros do paraíso, todos, para te os oferecer, quando da montanha uma sombra se ergue, levanta as mãos para Deus, e suplica…

Estou aqui, aqui junto a ti.

 

Roubava o teu sono, roubava os teus sonhos, falando em sonhos, meu amor,

De que cor são os teus sonhos?

Como se vestem os teus sonhos, meu amor?

Se eu pudesse, roubava a manhã, o livro de poesia que deixaram numa qualquer esplanada, e roubava os versos desse livro de poesia, e oferecia-tos, todos, todos teus, meu amor.

Roubava a tarde junto ao mar. Roubava o bronzear da tarde para escrever nos teus lábios

Amo-te,

Roubava a saudade, roubava a infância, roubava o Mussulo nas suas manhãs de Domingo, quando eu, quando eu ainda acreditava nos barcos,

Falando em barcos, meu amor, roubava todos os barcos e oferecia-tos, todos, todos eles,

- que parvalhão,

E pergunto-me meu amor, e pergunto-me o que farias tu com tantos barcos, se eu, se eu, o menino dos barcos já cá não estiver…

 

Roubava os pássaros do paraíso para te os oferecer, dava-te o mar, se eu pudesse, roubava o sol e a lua,

E todas as palavras que a lua inspirou.

Roubava a primeira lágrima da manhã, e oferecia-ta, toda tua, meu amor

Se a noite me trouxer, se da noite eu receber os teus dedos, se na noite eu conseguisse beijar os teus dedos, em flor,

Deste meu jardim de papel.

 

Se eu pudesse, se eu pudesse roubava todas as armas e acabava com todas as guerras, meu amor, se eu pudesse,

Crescer no meio da galáxia, no centro do quadrado, quando um pequeno círculo se aproxima, e ele, esconde-se

De ti

E nenhuma criança tinha fome e nenhuma criança morria de frio e de dor, meu amor,

Roubava a tempestade, meu amor, e oferecia-ta, mas antes, domesticava-a, ensinava-lhe a fazer versos, ensinava-lhe a ler-te versos,

Se eu pudesse roubava a tranquilidade da noite, junto à lareira e, abraçava-te, beijava o teu pescoço…

E ficava entretido com o teu cabelo,

Amanhã,

Junto ao mar,

Roubava-te o sono.

 

 

 

18/11/2023

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub