Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...


17.01.23

Numa folha em papel branco

Podia escrever a minha vida

A minha vida

Como se a vida pudesse ser escrita

Como se a vida pudesse ser desenhada

Numa pequena folha em papel

Ou numa tela desmaiada,

 

Numa pequena folha desanimada

Nasceu a não sei quantos de Janeiro

Às sete e trinta da madrugada

Num feliz Domingo de Sol,

Cresceu

Brincou junto ao mar

Cresceu

Cresceu

E morreu a tantos do tantos

De dois mil e tantos…

A vida

A minha vida,

 

Uma merda de vida

Dentro das escarpas da solidão

A vida que é escrita

Na escrita que é vivida,

Vivida em cada mão,

 

Numa folha

Numa folha em papel branco

Quando no corpo um nenúfar de vento

Te leva a pequena folha

A pequena folha em papel branco…

E não tens onde escrever

A tua vida

A vida da tua pobre vida.

 

 

 

 

Alijó, 17/01/2023

Francisco Luís Fontinha


13.01.23

Não peças ao vento

Que o vento te traga o vento,

Quando o vento

É o alimento,

No alimento do vento.

 

Não peças ao vento

Que o vento beije o outro vento…

Porque o outro vento,

Neste momento,

É o vento do vento.

 

E se o vento

A quem pedes o vento,

Não for o teu vento,

E o vento do outro vento…

For o veneno do teu vento.

 

 

Alijó, 13/01/2023

Francisco Luís Fontinha


24.12.22

Vive-se e vai-se vivendo

Enquanto este planeta de loucos

Gira e não pára de girar

Vive-se

Vai-se vivendo

Uns dias alegre

Outros dias a chorar.

 

Vive-se carregando um sobretudo de insónia

Quando a noite se despe

E se deita junto ao rio

Vive-se

Vai-se vivendo

Vivendo de frio.

 

Vive-se carregando a enxada da vida

Vive-se

Vai-se vivendo…

Vivendo a poesia.

 

E se um dia

Se um dia

Dia

Esta puta de vida

For um suspiro de vento

Não vivo

Não vou vivendo

Vivendo das palavras que alimento…

 

Vive-se

Vai-se vivendo

 

Enquanto isso

A Terra não pára de girar.

 

 

 

 

Alijó, 24/12/2022

Francisco Luís Fontinha


10.12.22

Todas as minhas noites

As pequenas noites que habitam em mim

São também elas

Um pequeno cubo de vidro

Sem janelas,

 

A noite é só minha

Saio à rua

E roubo todas as estrelas

Depois

Guardo-as,

 

E enquanto te escrevo

Semeio-as nos teus doces lábios de mel

Um dia

Um dia a noite será uma planície de vento

Em direcção ao mar,

 

E uma criança brincará na areia

Livre como os pássaros da minha aldeia

Mas enquanto houver noite

Este cubo de vidro só meu

Viverá na tua loucura,

 

Também eu

Louco

Puxando uma corda invisível

Desenhando beijos nas mãos da geada

E imaginando as tuas mãos nas minhas mãos – enquanto houver noite e geada.

 

 

 

 

 

Alijó, 10/12/2022

Francisco Luís Fontinha


07.12.22

Vou abrir todas as cancelas da noite

As visíveis e as invisíveis

Acendo o luar

E ligo a telefonia

Vou à janela

Abro-a

Puxo de um cigarro

Acendo-o

Estendo o braço

Abro a mão e pego o primeiro pingo de chuva

Fecho a mão

Encosto-a ao peito

Depois

Beijo o primeiro pingo de chuva

E chamo o mar

 

Enquanto o mar não vem a mim

Sento-me e espero

E o mar começa a entrar no meu corpo como um rio selvagem

 

Abraço-o cuidadosamente para não o magoar

E segredo-lhe baixinho ao ouvido

 

- Vem a mim

 

Depois vieram os barcos

E todos os peixes

E os barcos trouxeram as nuvens

E os peixes trouxeram a alegria

E as nuvens trouxeram as estrelas

 

Ao fundo da rua

Um transeunte

Olha-me

Eu olho-o

Eu ignoro-o

Depois

Ele ignora-me

 

Entre nós

Nem palavras

Nem das palavras

 

Apenas as sombras das palavras

 

Vem a mim

Traz as lanternas que alimentam o sono

E ensina-me a desenhar círculos de luz

Nas janelas da alvorada

E imagina quantos silêncios de pedra

Tem esta alvorada

Abre os olhos e planta as flores no meu peito

 

Depois

Traz as enxadas com que vamos capinar

Todo o capim das planícies

Onde às vezes

Deitas a cabeça e soletras o meu nome

 

Pego nos círculos de luz que me ensinaste a desenhar

E coloco-os nas vidraças da janela

Escrevo o teu nome

E o teu nome

Cresce na lareira

Enquanto o primeiro pingo de chuva começa a voar

E condenado que está

Fica prisioneiro do teu olhar.

 

 

 

 

 

 

Alijó, 07/12/2022

Francisco Luís Fontinha

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub