Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...


15.07.23

20230715_193414.jpg

Escrevo-te

Escrevo-te enquanto a terra roda

Enquanto os rios correm para o mar

Escrevo-te

Escrevo-te sabendo que daqui a pouco é noite

Que daqui a pouco ergue-se sobre mim uma tempestade de insónia

E a terra

Sempre a girar

Sem parar,

 

Escrevo-te

Escrevo-te acreditando que os meus desenhos são uma merda

Que aquilo que escrevo

Tirando o meu testamento

É uma merda

Escrevo-te

Escrevo-te enquanto o som do mar

Do meu mar

Não se cansa de me gritar,

 

E no entanto

Escrevo-te.

Escrevo-te antes que uma espada de luz ofusque o meu olhar

Escrevo-te

Escrevo-te antes que estes traços de sono

Ganhem vida própria

E depois…

E depois fujam para o mar,

 

Escrevo-te.

Escrevo-te acreditando que quando regressar a noite

As palavras que te escrevo

Ganhem vida

E se escondam nos teus lábios.

 

 

 

15/07/2023


17.12.22

Nunca percebi a razão de o meu pai, um dia, em meados dos anos oitenta, oferecer-me um livro de Hubert Reeves, “Um pouco mais de azul”.

Pela capa fiquei fascinado, com uma fotografia do Universo.

Ora “Um pouco mais de azul” é uma viagem sobre Universo e a sua história.

E tantos anos depois, não entendo porque o meu pai, na altura, queria que eu aprendesse um pouco mais sobre a história do Universo e pelas mãos “do poeta do espaço”.

O Universo para mim é infinito, frio e muito escuro. Portanto será difícil ou quase impossível alguém ou algo, que apelidam de Deus, ser o responsável de tamanha beleza.

O Universo e a poesia complementam-se, são infinitos, belos e habita em ambos o fascínio pelo desconhecido.

Depois de o ler, não sei se fiquei com mais dúvidas ou certezas; certamente com mais dúvidas.

De onde viemos. Para onde vamos. Quem somos.

Faz sentido tudo o que nos rodeia?

E não será apenas a função dos seres vivos, nascerem, crescerem e morrerem?

Então para que nascemos?

Nascemos para sofrer?

E se eu pudesse conversar com o primeiro ser vivo que habitou a Terra, será que ele satisfazia todas as minhas dúvidas ou pelo contrário, ainda ficava com mais dúvidas…

Mas o meu pai queria que eu estudasse um pouco mais sobre o Universo, e “Um pouco mais de azul” não me satisfez todas as minhas dúvidas, pelo contrário, aumentou-as.

E hoje percebo que brevemente serei apenas pó.

Um pequeno grão de areia.

 

 

 

 

Alijó, 17/12/2022

Francisco Luís Fontinha


04.12.22

Sou o comandante

Deste navio fundeado

No poço da morte

 

E enquanto escrevo e pinto

Este velho navio

Sem rumo

Olha as estrelas que brincam no fundo do mar

 

A manhã incendeia-se nos teus olhos

E mesmo assim

A tristeza ergue-se contra a montanha

Onde habitam as palavras do poeta morto

 

Coitado do poeta morto

Nu

E deambula pelas ruas da cidade

Sem saber como receber cartas

Sem saber se amanhã escreverá um novo poema

Ou se um novo poema o escreverá a ele

E a Terra não parará de girar

Como as árvores que crescem em direcção ao Sol

 

Sou o comandante

Deste navio fundeado

No poço da morte

Quando este vosso poeta

Voa sobre os cubos de vidro

Que aprisionam a paixão das almas mortas

 

E mortas que estão

Não sonham.

 

 

 

 

Alijó, 04/12/2022

Francisco Luís Fontinha


30.05.20

A terra gira e volta a girar,

Corre, corre, sem parar,

A terra é ula lágrima,

Nos lábios do mar.

A terra gira e volta a girar,

Corre, corre, sem parar,

A terra é silencio,

Que não se cansa de trabalhar.

A terra gira e volta a girar,

Corre, corre, sem parar,

A terra é amor,

É desejo no ar,

A terra gira e volta a girar,

Corre, corre, sem parar,

A terra é a cidade,

A cidade do madrugar.

A terra gira e volta a girar,

Corre, corre, sem parar,

Ai terra meu amor,

Amor de amar.

A terra gira e volta a girar,

Corre, corre, sem parar,

A terra são palavras,

Palavras de falar,

A terra gira e volta a girar,

Corre, corre, sem parar,

A terra na madrugada,

A terra do Luar,

A terra gira e volta a girar,

Corre, corre, sem parar,

A terra é ula lágrima,

Nos lábios do mar.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 30-05-2020


26.04.19

Sou filho da noite.


Sempre adorei a noite, onde vivem as palavras e os amores proibidos,


Ou impossíveis,


Ou amores inanimados.


 


Quando criança, brincava com aviões em papel,


Papagaios em papel,


Barcos de esferovite,


Com motor.


 


Sempre me lembro desalinhado com os momentos passados,


Tristes, alguns,


Alegres, outros,


E adorava, adoro, o circo.


 


Hoje, temos cá o circo,


Sempre foi o meu sonho fugir com um circo,


Viver de noite,


Andar de terra em terra.


 


Apaixonado pelas árvores.


Pelos palhaços,


Trapezistas


E outros malabaristas.


 


Os últimos já existem na política,


Temos malabaristas a mais,


Todos formavam uma grande companhia de circo…


O circo da merda.


 


 


 


Francisco Luís Fontinha – Alijó


26/04/2019


16.06.17

Uma nuvem sulfúrica poisa no teu silenciado sorriso,


Agacho-me sobre a terra prometida…


Mas não tenho jeito para a aprisionar na minha mão,


Minutos depois, palavras muitas, perco o juízo,


Pego na luz magoada que ficou em ti esquecida,


À porta de entrada do meu coração,


 


As aventuras na eira


Enquanto cai a noite sobre o espigueiro,


Livros perdidos dentro de um mealheiro…


Para serem vendidos na feira,


 


A casa é pobre, pequena… e aconchegante,


O quintal recheado de poemas envenenados pela charrua,


O meu corpo embebido em clorofórmio vomitando sinalização de rua…


Que o luar se torna brilhante,


 


E a lua,


É tua.


 


 


Francisco Luís Fontinha


Alijó, 16 de Junho de 2017


07.06.17

Rareiam por aqui as esquinas de luz do teu corpo,


Forço um beijo de sombra que habita no meu quarto,


Desenho nele a solidão de um final de tarde…


 


E sei que não voltarei mais.


 


(a mim?)


 


A ti, a mim e a esta terra que me acorrenta e mata,


A esta terra que me aprisiona desde criança


Como se eu fosse um Tiranossauro REX descendo a montanha do “Adeus”,


E lá longe a longínqua caneta enterrada no granito abraço,


(queres cerejas?)


Não. Não gosto de cerejas…


Olha! Olha, as laranjas do nosso quintal já são comestíveis,


Tão doces, tão doces como as tuas queridas mãos enfeitadas por flores, arbustos e lábios lacrimejantes, opiáceos livros de poesia poisados na nossa janela,


Quando a rua está deserta.


Não te entendo!


Não precisas de me entender…


 


Amanhã vais dizer que sou um vagabundo cambaleando pelos plátanos com leves folhas doiradas de tristeza,


A sátira perdida que apelidava o meu transeunte corpo de chocolate…


Com o calor…


Derrete. Morre.


 


E sei que não voltarei mais.


 


(a mim?)


 


Á vida. Não voltarei mais à escrita de estórias desalojadas numa quinta-feira à tarde, quando os miúdos regressam da escola e tu estás sentada na varanda a fazer pássaros de papel,


 


Tudo.


 


Ou nada.


 


O que importa é estar vivo…


 


Desde que nasce o Sol até ser noite.


 


 


 


Francisco Luís Fontinha


Alijó, 7 de Junho de 2017

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub