Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...


03.11.23

Não sei meu amor

O que Deus reservou para nós

Se é que reservou alguma coisa para nós,

Não sei o que Deus pensa de ti

De mim

Mas eu sei o que penso de ti,

Meu amor (menina com olhos de mar e lábios de mel),

Não sei meu amor

O que Deus escreve sobre nós

Sobre mim

Sobre ti,

Mas eu sei o que escrevo sobre ti…

Quando desce a noite sobre esta lareira,

Que me aquece,

Que me inspira,

Que me abraça…

 

Não sei meu amor

O que Deus faz enquanto penso em ti,

E os meus lábios escrevem em cada milímetro quadrado do teu corpo,

E as minhas mãos desenham no teu corpo

O silêncio vestido de saudade,

Não sei meu amor

Se Deus algum dia vai compreender-me,

Se é que alguém consegue compreender-me,

Se Deus algum dia me vai oferecer

Um pedacinho de noite,

Com estrelas em papel,

 

Não sei meu amor

Se Deus sabe matemática

(Einstein dizia que não),

Mas isso também não nos interessa

Meu amor,

Não sei

Meu amor

O que Deus reservou para nós…

(Se é que reservou alguma coisa para nós,

Não sei o que Deus pensa de ti

De mim

Mas eu sei o que penso de ti)

Mesmo assim,

Acredito…

E sonho!

 

 

 

03/11/2023


16.10.23

Sonho-te junto a este amontoado de sombras

De riscos invisíveis

Suspensos no tecto da insónia

Sonho-te junto a este amontoado de sombras

De palavras adormecidas

De poemas

E dias

E poesia envenenada

Sonho-te cansaço nocturno da madrugada

Flor em papel

Lâmina de sono

Nos teus lábios

 

Sonho-te junto a este amontoado de sombras

De corações de púrpura manhã sem nome

Tal como eu

Que também não tem nome

Tal como eu

Que também sonho

Que desenho

E me escondo

No cimo da montanha

 

Sonho-te junto a este amontoado de sombras

De inúmeras janelas viradas para o mar

Do mar dos teus olhos

Aos olhos do teu mar

Pertinho dos rochedos

Pertinho do céu

Sonho-te acreditando que as nuvens são os teus lábios

E nos teus lábios há uma janela

Uma janela especial

Onde te sonho

E beijo

No cimo desta montanha.

 

 

16/10/2023


27.09.23

Sonho-te em constante amar-te desejo

Sonho-te inventando noites sem dormir

Sonho-te desejando-te desejar-te

Nos meus braços

Ao lado do meu livro de poemas,

 

Sonho-te em constante amor-beijo

Que brinca nos caniçais

Que brinca na tua sombra

De sonhar-te amar e amar desejando

Que também tu me sonhes,

 

Que também tu me desejes desejando

Que me sonhas

Que me desejas nos teus secretos sonhos

Sonho-te na vergonha do poema

Quando ele acredita que te sonha,

 

Que também ele te deseja tanto ou mais do que eu…

Sonhando-te

Desejando-te

Neste sonho em papel

Deste sonho mergulhado na ausência,

 

Sonho-te enquanto te sonho

Que te beijo

E desenho na tua boca

O silêncio nocturno dos pássaros sem nome…

Que te sonho tanto… que te sonho tanto e fico com fome.

 

 

27/09/2023


03.02.23

Às vezes, são as palavras que não acordam,

Dormem profundamente no silêncio de uma flor,

Outras vezes, são as manhãs dos alegres sorrisos

Que descem do céu e poisam junto ao rio,

Às vezes, olho os pássaros que habitam no teu cabelo,

Árvore sofrida do Inverno…

 

E nas outras vezes,

Aquelas vezes em que esqueço, das vezes que recordo…

A mão do sono,

E percebo que de todas as vezes, tantas vezes,

O meu corpo balança nos teus lábios,

 

Dos teus lábios,

Que às vezes, de quase todas as vezes,

Roubo os beijos,

Todos os beijos que de tantas vezes…

Em todas as vezes,

Desenham em mim…

Escrevem em mim…

O pôr-do-sol,

 

Nas vezes que me sentei,

Nesta pedra de silêncio…

Desta pedra onde chorei;

Às vezes, são as palavras que não acordam,

Dormem profundamente no silêncio de uma flor,

Quando das tuas mãos, meu amor,

Das tuas mãos em delírio…

Regressam a mim as estrelas.

 

 

 

 

Alijó, 03/02/2023

Francisco Luís Fontinha


16.01.23

Não sou o que desejei ser,

Tão pouco desejei ser o que sou.

 

Desejar que amanhã

Esteja um lindo dia de sol

Com vinte e oito graus de temperatura

E humidade mínima,

Mas sei que estamos em Janeiro

E é Inverno,

E amanhã nunca estará um lindo dia de sol

E tão pouco com vinte e oito graus de temperatura,

 

Para quê desejar?

 

Desejar que o mar entre pela minha janela

Sabendo eu que não tenho janela

Que vivo longe do mar,

E mesmo que tivesse uma janela

E vivesse pertinho do mar,

O mar nunca entraria pela minha janela,

E se eu gritar mar

(como no poema de AL Berto)

O mar todo não entra pela minha janela,

 

Para quê desejar?

 

E quando me perguntavam

O que queria ser quando fosse grande

(o que desejava, o que sonhava)

Respondia com o silêncio…

 

Agora percebo que não queria ser nada

 

Então para quê desejar

Ou sonhar

Ou sonhar que se deseja

Quando o desejo morreu

Morre

Como morrem os sonhos ao acordar…

 

Para quê desejar,

Desejar o sonho de sonhar?

 

 

 

Alijó, 16/01/2023

Francisco Luís Fontinha


23.02.22

Se és o vento,

Leva-me.

Se és um abraço,

Abraça-me.

Se és um beijo,

Beija-me.

 

Se és um livro,

Deixa-me escrever em ti,

Desenhar os teus lábios

Na manhã quando acorda.

Se és a lua,

Semeia a luz no meu corpo cansado,

 

Quando chora.

Se és uma tela,

Deixa-me pintar em ti a Primavera,

Como fazem os pássaros,

Ou as flores,

Como fazem as palavras,

 

Se és uma lágrima,

Diz-me que o poema não morreu,

Diz-me que as palavras

São fertilizante para as tuas tristes noites;

Se és sol…

Não te canses de me iluminar.

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 23/02/2022


25.07.20

116133386_3811182805565824_8074717458220090878_o.j

Suicídio. Acrílico s/tela 50x70. Francisco Luís Fontinha

 

Sem tempo, esta escuridão de azoto,

Descendo nas borbulhas do sono,

E, meu amor, a tristeza quando a partida,

Às vezes complexa, de um olhar, talvez cansado,

Começa a desenhar-se no sorriso de uma esfera.

Uma caixa de vidro, uma janela em pedra,

Uma lágrima entre sorrisos e nuvens,

Vem a nós o corpo circunflexo da insónia,

E, nos teus seios, a alvorada envenenada pela escuridão.

Desenham em traços de água, o sono dos justos,

Os emagrecidos amanheceres da palavra escrita.

Sem tempo, meu amor,

Para dormir debaixo das árvores,

E dos silêncios da morte;

É tão triste, a morte, meu amor,

Quando morre o livro,

Quando é assassinada a palavra,

E uma nuvem de fumo educada,

Deita-se solenemente na manhã a despertar.

Sei que há dias tristes, muito tristes e, aqueles, menos tristes, mas felizes,

Onde brincam criancinhas vestidas de pano,

Amarrotado,

Pequena folha em papel que arde na sanzala,

Basta um sorriso,

Uma pequena lágrima,

Para nascer em ti o poema prometido.

Sem tempo, amor,

Sem tempo neste corredor de sonhos.

 

 

Francisco Luís Fontinha

25/07/2020

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub