Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...


04.11.23

20231104_083133.jpg

 

Podíamos partir em direcção ao mar

E levar connosco todos estes livros,

Todas estas memórias.

Podíamos brincar no mar

E desenhar na areia o sorriso do silêncio,

Podíamos escrever na espuma do mar…

O quanto mar existe nos teus olhos,

Do mar Oceano das tuas mãos,

Podíamos regressar a Ítaca

E resgatar o soldado infeliz,

Conversávamos com a esposa de Zenão…

(o paradoxo de Zenão)

Podíamos voar sobre as árvores,

Podíamos cantar junto ao rio…

Podíamos aprisionar o vento

E a chuva,

Podíamos partir em direcção ao mar

E levar connosco todos estes livros,

E todas estas sombras.

 

 

04/11/2023


14.10.23

Do rio que leva

No rio que não dorme

Do rio que traz

O dia e a fome,

 

No rio que grita

Ao rio que não come

O rio que agita

O outro rio sem nome,

 

Do rio que leva

No rio que consome

O rio dos pássaros da madrugada

E do rio com síndrome…

 

Do rio que leva

O que rio que me traz a alvorada

Do rio sem nada

Ao rio que desce a calçada.


04.05.23

Todos, todos somos um rio,

Um rio que é filho da espuma da manhã,

Todos, todos somos um rio,

Uns perderam alguma coisa,

E os outros tudo perderam,

Mas o entre perder e o ganhar…

Somos um rio de sorriso,

Um rio… um rio que correr para o mar,

 

Todos, todos somos um rio,

Um rio de sono,

Somos um rio sonâmbulo…

Somos um rio de palavras,

Somos todos,

Somos todos um rio…

Um rio que nasce…

Em cada dia de alegria.

 

 

 

Alijó, 04/05/2023

Francisco Luís Fontinha


20.04.23

Do céu, chegava-nos o fogo da saudade.

O mar de espuma

Brincava no sorriso lento

Da madrugada em flor;

Depois, recebíamos as canções da Primavera.

 

Depois…

Depois… meu amor.

O silêncio da despedida,

A ausência do corpo

Quando o corpo deixa de pertencer às tuas mãos…

 

Das tuas mãos onde procuro aquele rio sem nome,

Aquele rio, meu amor, rio que não corre mais para o mar.

Do céu, as lágrimas das estrelas em cartolina…

Que nos lábios de uma criança,

De uma simples menina… desenha sorrisos de esperança.

 

 

 

Francisco

20/04/2023


22.03.23

No esplendor da noite

Um fio de sémen

Poisa na sombra adormecida do meu esqueleto,

E da paixão dos pássaros,

Oiço os gritos de um Deus arrogante…

Distante dos rostos envenenados da solidão,

 

O rio,

Morre na minha mão…

Como morreram todos os rios,

Como se suicidaram todos os rios que conheci…

Todos,

Todos na minha mão,

 

Desenho no teu pincelado olhar

A tristeza que os dias transportam desde a montanha,

O sol, o sol esconde-se numa pequena caixa de sapatos,

E do corpo,

As pequenas lâminas da alegria…

Fogem em direcção ao mar,

 

Cai a máscara sobre o chão lamacento do silêncio,

Ouvem-se os gritos e gemidos da morte…

E da minha mão,

O enforcado rio em pedacinhos de sorriso…

Feliz;

Feliz porque deixou de sofrer…

E agora…

Brinca dentro de um cubo de vidro

Com janelas adormecidas

E olhos adormecidos…

 

 

 

Alijó, 22/03/2023

Francisco Luís Fontinha


05.01.23

Menina que te sentas junto ao rio

Que tens na mão

Um livro envenenado

Que tens nos olhos uma lágrima de sangue,

 

Menina que estás sentada

E que lês as palavras que semeio

E que beijas as palavras que lanço ao vento,

 

Menina que esperas o mar

Quando o mar está sereno

E calmo como as estrelas da madrugada,

 

Menina que estás sentada

E ergues as mãos para a minha morada

Não tenhas medo

Medo da alvorada…

Não tenhas medo

Medo de estar sentada.

 

 

 

Alijó, 05/01/2023

Francisco Luís Fontinha


01.01.23

Ninguém cobre o mendigo

Nem a noite o protege

Das estrelas,

 

O pão que ele transporta na algibeira

São os meus cigarros

Porque de pão não vivo

Tão pouco vivo de pequenos luares

Que se estendem sobre o mar,

 

E do pão

Nasce o dia

O dia do mendigo que de pouco lhe serve

Quer lá saber o mendigo do dia

Ou o dia do mendigo,

 

E podíamos ser todos felizes

O mendigo feliz com a noite

O dia feliz com as lágrimas do mendigo

O luar muito mais feliz de que ambos

E o poema está feliz com o poeta,

 

Poeta que ainda não é mendigo

Poeta que é o coveiro das palavras

As boas

E as fumadas

Porque o poeta fuma palavras

E o mendigo fuma os cigarros do poeta

O poeta que descobre a noite

E quando se senta junto ao rio

Deixa-se ficar por ali…

Depois aparece o mendigo

Aprece a noite

E o cobertor

O cobertor que serve para o poeta cobrir o mendigo,

 

E quando batem à porta do meu postigo

Uma trave de sono cai

Cai sobre a cabeça do mendigo

O mendigo que fuma o pão

E bebe as palavras já fumadas pelo poeta,

 

E um beijo se despede da alvorada

Enquanto o mendigo e o poeta

Fumam todas as estrelas da noite;

E a noite sem estrelas

É como o dia sem palavras

Quando o fantasma da solidão

Abraça o mendigo

E acorrenta o poeta à melancolia do silêncio,

 

Porém

Ainda não o sei

Deixei de ver o mendigo

Deixei de ver o cobertor que servia para eu cobrir o mendigo…

E agora

O mendigo descoberto

Morre

Como morrem os poemas no leito em desejo.

 

 

 

 

Alijó, 01/01/2023

Francisco Luís Fontinha

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub