Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...


09.04.17

Vagabundos,


Sonâmbulos


Cromos


E outros cromados,


Assim avança a vida do poeta…


Sobre a janela da solidão,


Desamados,


Triângulos de prata no papel amachucado


Correndo pela paixão na juventude das pirâmides sonolentas,


Vagabundos,


Sonâmbulos


Cromos


E outros cromados,


Enigmáticos circos de terra em terra,


Palhaços,


Candidatos a palhaços…


Num empobrecido poste de iluminação,


A forca miserável do inventor


Entre círculos e cubos de sombra…


A inquietude neblina que assombra a mão


Do palhaço candidato a palhaço,


As bocas de esperma descendo a calçada


Até se sentar junto ao rio,


Ouvem-se os socalcos do amanhecer


Quando as enxadas do prazer batem no xisto esfarrapado,


O circo não tem fim,


O fogo adormece as almas dos condenados,


E sobre o papel amachucado…


A casa dos espirros,


Os vampiros telhados das cidades em chamas…


Tudo arde no teu olhar


Como arderam as minhas palavras nas náuseas do sono…


Ergo-me,


Faço-me vagabundo como eles…


E vivo apaixonadamente no cubículo da idade.


 


 


 


Francisco Luís Fontinha


Alijó, 9 de Abril de 2017


25.08.13



foto de: A&M ART and Photos


 


hoje és um mendigo igual a mim


uma pérfida folha de papel não correspondida


hoje és um cadáver envergonhado deitado na minha sombra


uma triste e cansada sombra debaixo dos lábios do púbis incenso


hoje és um sexo amargurado


triste como as sílabas empapadas dos livros de nada dizer


como as noites a arder


dentro de ti o comestível prazer


 


hoje finges que não te pertenço


que sou um muro em xisto


balançando sobre a encosta


atiro-me e encontro o rio


hoje és um mendigo igual a mim


fugindo da claridade


e dos beijos zangados em cinzentos fios de sémen...


e dizes-me que sou um palhaço


 


um voador corpo com asas em papel


hoje desperdicei os abraços sobre a lua em fúria


que deus deixou na mão da madrugada


hoje não sou nada


como ontem


como amanhã


hoje és...


apenas uma defeituosa maré de linho com coloridos olhos em verniz...


 


 


(não revisto)


@Francisco Luís Fontinha – Alijó


Domingo, 25 de Agosto de 2013



17.07.13



foto de: A&M ART and Photos


 


O belo transforma-se em floresta e das palavras, das palavras crescem andorinhas com sorriso encarnado, um mar de rosas invade os alicerces da cidade... e eu, cambaleio entre sombras nocturnas que o medo absorve... e os candeeiros solitários, onde uma penumbra emerge sobre os bancos em madeira com ripas de inveja, olho-te, meu amor, e as tuas mãos tocam-me, e do meu rosto, da minha face decalcada numa chapa de estanho uma mísera garganta embrulha-se nas vozes desgovernadas, há palavras mortas, há flores de tempestade à porta da Igreja, e tu, meu amor, sempre, sempre que me encontras perguntas-me pela música, pelas palavras... e eu, minto-te, porque nada tenho para te oferecer... apenas miséria, apenas fome,


O belo, que tu transportas nos lábios, chega-me, confesso que nunca quis ser rico, ter fortuna, confesso-te que o meu sonho era ser artista de circo, desde criança que sonho com o circo, andar de terra em terra, de País em País, de Planeta em Planeta..., ir à luar, uma semana em Marte, três dias em Saturno..., e aos Sábados, as famosas matinés de areia molhada, deitavas-te e uma língua de fogo adormecia em plena praia imaginária, um molde sobrevivi às marés, e quando entrasse a noite em nós, preenchíamos o respectivo molde com beijos e sorrisos,


E três dias depois,


Nova cidade, montar toda a estrutura, o palco, as luzes, eu, o palhaço frustrado e diminuído, habitante do patamar inferior da Sociedade, porque existem intelectuais de fim-de-semana, os ditos inteligentes com cabeça de vidro, e das omoplatas vagueiam as sibilantes listras abelhas com coração de manteiga, o filho da puta do mendigo, acaba de cuspir no meu próprio pão, e de duas sardinhas, uma para mim, a a outra, reparto-a por ela e pelos dois filhos, nunca percebeu quem eram os respectivos pais..., abríamos a janela da roulote, os vizinhos do lado, um casal de trapezistas, faziam o amor sobre o arame que prendiam de uma ponta da dita até ao infinito... e havia cordas penduradas do piano de cauda que o músico de serviço transportava como se fosse o único objecto palpável, de valor, a única riqueza,


Nunca quis ser rico,


Os intelectuais de fim-de-semana, sentam-se aplaudidamente nas primeiras cadeiras do circo, eu, o pobre, o miserável, o inculto desta terra, rodopio sobre uma bicicleta de madeira que um velho há cerca de vinte e cinco anos me ofereceu num bar no Bairro Alto, vomitávamos as palavras e nem tempo tínhamos de as escrever, havia gajas com asas de cristal e gajos com cérebros envoltos em serrim, cheira intensamente a merda, são eles, os do fim-de-semana quando descem até às raízes invisíveis das omoplatas dos cortinados dos intelectuais ditos espertos, tão... tão espertos e mergulham na burrice e acordam na estupidez, tenho fome, preciso da tua boca e dos teus seios e das tuas coxas, preciso dos alicerces da cidade, de todos os vãos de escada onde se prostituem intelectualmente alguns gajos, poucos, quase nenhuns, preciso, precisava... que da noite viessem as vísceras infames dos livros sobre as mesas de cabeceira, se eu quiser, eu consigo, porque sou um miserável, empobrecido, intelectualmente pobre, dizem-no, parvalhões com serrim envolto no cérebro, asas sobre as omoplatas, cristais nos olhos, e rodas dentadas onde devia existir um cérebro, deixavam de pensar, e aplaudiam fugazmente as palhaçadas dos artistas conceituados, na roulote em frente, o amor


Fazem-no como se ainda estivessem sobre o arame de sémen que atravessa o espaço exíguo de um lado ao outro,


Foda-se, ouviam-se-lhe os sons menstruais das Primaveras amarfanhadas, e a carroça, ou quase carroça, balançava como um plátano sobre o rio da saudade, descíamos a encosta, sentávamos-nos sobre os joelhos do desejo,


Parvalhão, tens a mania...


Sobre os joelhos do desejo, fotografias a preto-e-branco na parede da rolete, um fino tique nos dedos com sabor a chocolate emergia das fundações da ponte que ligava a cidade nova à cidade velha, e nunca, nunca mais vi o velho nem a bicicleta de madeira, mas nos meus tempos livres, o mesmo número de sempre, só que agora sem a bicicleta, sem o velho, sem o Bairro Alto... apenas um sofá com as molas sofrendo de bicos de papagaio e espondilose, perdizes, perdizes masturbam-se com as cadeiras vazias do espectáculo, murchos, os candeeiros, e das lâmpadas, nem o esqueleto, e apenas finos orgasmos de poeira vagueiam sobre a plateia..., o belo, que tu transportas nos lábios, chega-me, confesso que nunca quis ser rico, ter fortuna, confesso-te que o meu sonho era ser artista de circo, desde criança que sonho com o circo, andar de terra em terra, de País em País, de Planeta em Planeta..., ir à luar, ir e não regressar.


 


(ficção não revisto)


@Francisco Luís Fontinha



19.11.11


 


59,4 x 84,1 (desenho de Luís Fontinha)


 


Sou um palhaço,


Dizia ele às linhas do papel,


Sou um homem vestido de palhaço


E vivo confortavelmente numa barraca junto ao rio,


Sou um palhaço,


Quando o espelho imprime o meu rosto encardido,


E eu vestido,


Dizia ele,


E eu vestido de palhaço,


Numa barraca junto ao rio,


Agachado na lareira da noite


A tremer de frio,


 


Sou um palhaço,


Dizia ele às linhas do papel,


Sou um homem vestido de palhaço…


Confortavelmente numa barraca junto ao rio,


 


Já fiz de tudo.


De palhaço a malabarista,


Domador escritor pintor almeida jornaleiro…


Até já fui carpinteiro,


Nunca fui paneleiro,


E um dia quero ser romancista,


 


E agora,


E agora sou palhaço,


Digo eu,


E vivo numa barraca junto ao rio,


 


Sou um palhaço,


Dizia ele às linhas do papel,


Sou um homem vestido de palhaço


E vivo confortavelmente numa barraca junto ao rio,


Eu, nada faço


Porque sou um palhaço,


E às vezes pego num pincel


E cato abelhas com cio…


 


Sou um palhaço,


Dizia ele às linhas do papel,


Sou um homem vestido de palhaço…


Confortavelmente numa barraca junto ao rio,


 


E quando vou na rua


Há sempre alguém que não se esquece de me recordar


Que eu sou um palhaço,


E a gritar e a gritar e a gritar…


- Vê por onde andas seu grande palhaço!


E eu caminho nos passeios


E eu tenho de me desviar dos candeeiros


Semeados no centro dos passeios,


 


Porque outro palhaço,


Digo eu,


Semeou candeeiros


No centro do passeio,


Eu, nada faço


Porque sou um palhaço,


Apenas vivo confortavelmente


Numa barraca junto ao rio.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub