Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...


15.10.23

Afinal onde ficou

O teu primeiro olhar

Onde se esconde

O teu primeiro sorriso

A tua primeira lágrima

Afinal onde ficou

O teu primeiro olhar

Onde se esconde agora

O teu primeiro silêncio

Para mim

Afinal onde ficou

A tua primeira palavra

Que se abraçou

Ao meu poema

Afinal onde ficou

Onde se esconde

O teu primeiro olhar

Do teu primeiro beijo

Afinal onde mora

Onde está

A tua primeira alegria

Do dia

Em poesia.

 

 

15/10/2023


28.06.23

20230628_141911.jpg

Não tenho amigos

Amigas

Mas tenho uma folha em papel

Onde semeio coisas

Muitas coisas;

Aos falsos amigos

Às falsas amigas…

Que se fodam.

 

Um dia

Um dia pesará mais o meu caixão do que o meu próprio corpo…

Um dia

Qualquer dia

Terei mais poemas publicados

De que saudades…

Daqueles que se diziam…

Amigos.

 

Mesmo assim vou escrevendo coisas

Desenhando coisas

(tudo merda, diga-se)

Mas cada um faz o que pode…

E muitos

Nem fazem metade do que eu faço.

 

Não tenho amigos

Amigas

Mas tenho uma folha em papel

Onde semeio coisas

Muitas coisas;

Desenho o Inverno pincelado de paixão

Escrevo na mão

Que se fodam os amigos e as amigas

E voo sobre o mar…

 

Um dia

Qualquer dia…

Quando eu morrer…

Acordará a hipocrisia…

Das lágrimas

E da puta que os pariu

Que nunca mais os quero ver.

 

 

28/06/2023


25.06.23

Este poema.

Este poema sem ninguém

Este poema só

Na voz de alguém

Este poema.

Este poema sem ninguém

Sem mais anda

Este poema

Numa palavra.

 

Morre o poema

Morre o poeta

A palavra também morre…

Este poema.

Este poema sem ninguém…

Enquanto este barco de espuma

Frio

Escuro

Esconde-se dentro deste poema

Deste poema sem mais nada.

 

Este poema.

O meu poema…

Uma palavra

Na ausência da palavra

Sem ninguém a palavra

Deste poema

Este poema…

Sem mais anda.

 

 

 

25/06/2023


30.05.23

20230530_192202.jpg

À janela

Uma lágrima de espuma

Do teu banho

Na palavra que poisa no teu ventre

Na palavra que morre

Dentro de ti,

 

À janela

Uma lágrima de sono

Nos teus olhos

À janela

Do teu banho

Dentro de ti…

A palavra que te deseja,

 

À janela do teu banho

Em ti a pequena gotícula

Só e sem nada

Do teu banho

A palavra

A palavra dada

Da palavra…

Dentro de ti

A madrugada.

 

 

 

Luís

30/05/2023


18.09.22

Um dia serás livro,

Palavra semeada na planície do sono,

Um dia serás madrugada,

E no outro dia…

Não serás nada,

 

Um dia serás cidade

Esfomeada,

Solidão nocturna,

Um dia serás nuvem,

Madrugada,

 

Um dia serás luar,

Noite estrelada,

Um dia serás livro

Na mão ceifada,

Um dia serás rio,

 

Mar em revolta,

Um dia serás livro,

Palavra na palavra,

Um dia serás o sol

Quando os barcos dormem,

 

Um dia serás livro,

Rainha da montanha adormecida,

Um dia serás os beijos

Das noites não dormidas…

Um dia… serás livro de poesia.

 

 

 

Alijó, 18/09/2022

Francisco Luís Fontinha


04.12.21

Mulher,

Silêncio que se despe em mim,

E mergulha na noite em papel;

A ousadia de viver,

Vivendo neste jardim,

Jardim a crescer,

Junto a este hotel.

 

Mulher,

Canção envenenada, palavra em revolta.

Mulher, criança mimada,

Mimada à minha volta.

 

Mulher,

Flor silêncio que se despe em mim,

Da noite em combustão,

Mulher,

Mulher de mim,

De mim, corpo paixão.

 

Mulher,

Corpo vestido de morte,

Cansaço desta montanha apagada,

Morte de má sorte,

Sorte em ser geada.

 

Mulher,

Que te vestes de mulher,

E ousas ser outra mulher.

Não te vistas,

Nem te ouses.

Mulher é mulher,

É poema,

Verso enfeitado,

Mulher é flor;

Não o sejas porque alguém o quer,

Porque mulher

É chama,

É livro envenenado,

É palavra e é amor.

Mulher,

Mulher é mulher,

Mulher é flor,

Mulher é amor.

 

Mulher,

Silêncio que se despe em mim,

E mergulha na noite em papel;

Mulher,

Não queiras ver o meu jardim,

Jardim de mulher,

Mulher

É amor,

É flor;

Mulher

É mulher,

Mulher é palavra semeada,

Mulher,

Mulher é livro, mulher é batel,

Mulher é poesia encantada,

Mulher,

Mulher é mulher,

Mulher de geada.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 4/12/2021


23.10.21

Semeou a palavra saudade

Na planície do desejo,

Semeou o eterno beijo,

Da palavra em verdade.

 

Pegou na flor amada

Enquanto nascia o dia,

Sentou-se, falou o que sentia…

Antes de nascer a madrugada.

 

Semeou a palavra saudade

No sentido olhar dela,

Cresceu, brincou, e descobriu a felicidade

 

No poema envenenado.

Desenhou e pintou a sua Cinderela

No silêncio orvalhado.

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 23/10/2021

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub