Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...


03.11.23

Perco-me nos teus olhos

E procuro o silêncio,

E afago o teu cabelo,

Perco-me nos teus olhos

Enquanto a noite desce sobre a tua mão,

Sabendo eu que a noite é um pedaço de tecido,

Um cortinado que não me deixa ver o mar,

 

Perco-me nos teus olhos,

Flor em papel crepe,

Luar que incendeia a insónia

E depois lança contra a montanha,

A minha solidão,

A minha triste memória,

 

Perco-me nos teus lhos,

E procuro o silêncio,

E procuro o silêncio dos teus lábios,

Nuvem de algodão-doce,

Poema da manhã…

 

Perco-me nos teus olhos,

E ignoras que também eu tenho olhos…

Mas tu, tu não te perdes nos meus olhos,

 

Perco-me nos teus olhos

E procuro o silêncio,

E afago o teu cabelo,

E o mar do teu olhar me abraça,

E o mar do teu olhar me beija…

Enquanto a noite se esconde na minha lareira.

 

 

 

03/11/2023


28.10.23

Encosta o teu olhar

Ao meu olhar,

Abraça-me, abraça-me clandestinamente

Como se eu fosse um foragido,

Um condenado por um qualquer pequeno delito,

Enquanto me sacio com esta lareira,

Que me ilumina, que nos ilumina…

Quando mais logo, quando mais logo regressar a noite…

E a noite nos beija,

Nos beija sibilinamente,

 

Abraça-me, encosta o teu olhar

Ao meu olhar,

Abraça-me clandestinamente,

Enquanto todos os pássaros dormem,

E a noite se veste de poema.

Abraça-me e encosta o teu olhar

Ao meu olhar,

Abraça-me enquanto a lua poisa nos teus seios…

E o luar,

E o luar escreve em ti… amo-te,

Dos teus olhos de mar,

Como eu,

Clandestinamente.

 

 

28/10/2023


26.10.23

São os teus olhos, meu amor,

São os teus olhos que iluminam este túnel frio e escuro,

Que alguém apelidou de vida.

São os teus olhos, meu amor,

São os teus olhos que me servem o pequeno-almoço do desejo,

De olhar os teus olhos.

 

São os teus olhos, meu amor,

O primeiro poema da manhã, mesmo quando a manhã se esquece de acordar,

E os teus olhos me abraçam,

E os teus olhos me lançam ao mar…

São os teus olhos, meu amor,

São os teus olhos o primeiro ramo de flores que recebo, pela manhã,

 

 

 

26/10/2023


25.10.23

Quando te ris e desenhas no meu olhar

Um círculo de luz com olhos verdes,

Quando te ris e escreves no meu olhar,

Amo-te,

Quando te ris, meu amor…

E poisas no meu rosto,

A tua mão,

E eu, aprisiono-a e finjo que durmo…

E finjo que os meus olhos são o mar.

 

 

25/10/2023


22.10.23

Encosta a cabeça ao meu ombro

Imagina que a lua poisa nos teus lábios

Imagina que o mar…

… que o mar brinca nos teus olhos,

 

Encosta a cabeça ao meu ombro

Imagina que o sol corre juntamente com o vento…

No teu cabelo,

Imagina que todos os pássaros cantam para ti

E que todas as manhãs

São manhã de algodão-doce,

 

Imagina o silêncio escondido na tua mão

Quando imaginas acariciar o meu rosto,

Também ele, imaginado por um louco,

Imagina que as gaivotas são filhas da preia-mar…

E que todos as estrelas-do-mar,

São imaginadas pela tua boca,

 

Que imagina o beijo

Encosta a cabeça ao meu ombro

Imagina a lua,

Imagina o sol,

Imagina a noite imaginada por um poeta,

Quando te despes vagarosamente…

E eu,

E eu imagino-te nos meus braços,

Baloiçando,

Até que depois ouvimos os gritos do mar…

 

 

22/10/2023


15.10.23

Afinal onde ficou

O teu primeiro olhar

Onde se esconde

O teu primeiro sorriso

A tua primeira lágrima

Afinal onde ficou

O teu primeiro olhar

Onde se esconde agora

O teu primeiro silêncio

Para mim

Afinal onde ficou

A tua primeira palavra

Que se abraçou

Ao meu poema

Afinal onde ficou

Onde se esconde

O teu primeiro olhar

Do teu primeiro beijo

Afinal onde mora

Onde está

A tua primeira alegria

Do dia

Em poesia.

 

 

15/10/2023


14.10.23

20231014_195818.jpg

 

É noite nos teus olhos,

Meu amor,

É noite nos teus olhos,

E do outro lado da rua,

Procuro a outra rua,

A rua da minha ausência,

É noite, meu amor,

É noite e do outro lado da rua,

Procuro a tua rua,

A rua das flores,

A rua dos jardins suspensos da Babilónia…

É noite, meu amor,

É noite no outro lado da rua,

É noite nos teus olhos, meu amor,

E procuro as tuas mãos,

E procuro os teus lábios…

Do outro lado da rua,

Em frente à minha rua…

Junto ao mar.

 

14/10/2023

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub