Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...


06.08.23

20230806_202002.jpg

(Ópera em três actos)

 

Música: Francisco.

Cenários: Luís.

Guarda-roupa: Francisco & Luís, Associados.

Dança: Francisco Luís.

Personagens:

- Alzira;

- Carlos;

- O Tolo;

- Madame (X);

- Rio;

- Os socalcos e a sombra dos socalcos;

 

 

Primeiro Acto:

(o Tolo descobre que pensa)

(junto ao Tejo, um apito; AL Berto)

Tão triste

Mário…)

 

Quando me sento

Nesta pedra cinzenta

Às vezes

Lamento

Outras vezes

Invento

Que me sento

Nesta pedra cinzenta,

 

Às vezes

Acredito

Que dito

O que penso

Quando não penso

E descubro que penso

Que descubro que me fica lindamente

Este lenço em seda

Com que me enforco

E bordado pela inocência,

(Alzira aproxima-se, descreve um semicírculo de cento e oitenta graus,

Toca-me, e pergunta-me)

Porque pensas

Carneirinho

Soldado do monte

Do pasto

Das cabras amansadas

Quando ao longe

Regressam os Cacilheiros de Almada,

Não penses

Carneirinho

Não penses que as cabras

Que saltam de poiso em poiso,

(começa a orquestra: duas palmadas no rabo e um travessão, ponto paragrafo, na sua mão, Alzira, treme de frio ou de outra coisa qualquer, em pleno Agosto…)

 

Carneiro não pensa

Carneiro nasceu para sofrer

Para foder

Ser fodido

E acabar num pote em ferro

À meia-noite

Em ponto,

(o parvo do Carlos desliga o interruptor, apagam-se as estrelas, e apalpamo-nos uns aos outros como Deus nos apalpou e comeu)

 

Começa o dia

Começa o dia e o gajo descobre que pensa

Que existe

Pois claro

Mário de Sá-Carneiro

Pensava.

Um tiro nos miolos…

Florbela

Que era Espanca

Que era tão bela,

Três tentativas,

Duas falhadas,

Uma,

A correcta.

 

Abro a porta.

(Alzira corre pela seara do trigo desejo em que ela tantas tardes, adormeceu nos braços do Tolo)

 

Não corras

Alzira

Corre tu

Carlos

Não corras

Corras

O risco

De ser Tolo

E pensar.

 

Segundo Acto:

(o Tolo apaixona-se pela floresta)

(as calças que me deram hão-de ajustar-se à medida do meu corpo…, AL Berto)

 

Estavam a floresta o rio os socalcos e as sombras dos socalcos

Estavam todos á conversa

(batem à porta da biblioteca, Madame (X), abre a porta numa rotação de trinta e cinco graus anti-horário, espreita e sorri, quem será esta, penso)

Todos nós nos calamos

Calou-se o Tolo

Calou-se o rio

Calaram-se os socalcos e as sombras dos socalcos

Uma voz em gritos

Agora podemos começar

Começamos então

Uns que se sentam

Outros tantos que se levantam

Menos os que morrem

E aqueles que partiram

Ficamos nós

Aqui em conversa

Dentro desta biblioteca

(o Tolo, sim, Madame, ela que andava à procura do livro de AL Berto

“O Medo”

(perguntei-lhe se já tinha ido procurar na casa de banho, ofendeu-se, respondeu-me mal e acusou-me de assedio…)

E “O Medo” lá está

Por aí anda

Mas o que a Madame (X) queria saber

O que ela queria

Saberia

O outro

Que não eu.

(Alzira acaba de pisar uma mina num qualquer musseque em Angola)

(a orquestra suavemente, ergue-se por entre a plateia, uma jarra com flores, que tocam flauta, começam a mais linda melodia da noite; A Princesa.)

Os barcos

Os barcos atiram-se das prateleiras

Numeradas

Ficção

Poesia

Pintura

Engenharia

Tesão

E física nuclear,

(cabeças de esperma ressequido)

Do silêncio

A Madame (X)

Salta a janela

Mil e duzentos milímetros

Coisa pouca

Uma perna partida

E os ovários descaídos.

O Tolo

O Tolo beija loucamente a floresta

E descobre

Que além de pensar

Que além de…

Também ama.

 

Terceiro Acto:

(o Tolo é preso pelos leitores e pelas leitoras)

(mostram restos de esperma ressequido naquelas cabeças ocas…, AL Berto)

 

O Carlos, fugiu.

(antes de morrer, tremia de frio, e nunca mais tive notícias da Alzira)

(suavemente, ergue-se o coro de silêncios, começa a alvorada e junto à porta de entrada, A Multidão)

 

Graças a Deus

Estás vivo

Meu filho

Prefiro ver-te preso

De que ver-te morto

Não sei

Mãe

Não sei qual é a altura ideal para morrer

(o coro de silêncio cessa de desenhar sons invisíveis nos três círculos de luz, e dos olhos da Alzira, uma cortina de fogo poisa sobre a mesa)

 

Um livro toca no tolo

Ele

Excita-se

Masturba-se dentro da solidão

O livro que tem nome

Preso

Ele também

Às mãos do poeta

Sem porta

Sem janela

Sem cama

O livro vomita

Lança o esperma da madrugada sobre um campo de papoilas

Um pequeno uivo

Coisa pouca

Dança sobre a mesa

O Tolo dança

O Tolo se esquece

Aos poucos

Dos poucos que nunca esqueceu

Dos barcos

Do Céu

Das estrelas

E

(da puta que os pariu, gaguejava o nosso ausentado amigo Luiz Pacheco)

 

Uma lágrima de sangue

Abre-lhe as algemas

E a prometida liberdade

Desce

Corre

Corre para onde,

O Tolo?

 

(o Tolo descobre que pensa, o Tolo descobre que ama, o Tolo descobre que é prisioneiro dos seus leitores e das suas leitoras)

 

 

FIM

 

 

06/08/2023

Francisco


13.01.23

Um vinil nas mãos de uma criança

Que gira

Que dança,

Um vinil revoltado

Triste

Muito triste

E cansado.

 

Um vinil que gira

Que dá voltas á Terra,

Um vinil sem sorte

Na pouca sorte de girar,

Um vinil que grita

As canções de embalar.

 

Um vinil que traz a morte

A infância

E a espingarda desassossegada,

 

Um vinil vestido de poema

Que foge

Que se esconde na tua cama

E nunca viu a madrugada,

 

Um vinil refractário

Desobediente,

Um vinil que habita no armário

E está sempre doente.

 

 

Alijó, 13/01/2023

Francisco Luís Fontinha


10.12.22

Se eu não morrer

Ensinar-te-ei a escrever as primeiras palavras

As tuas primeiras equações

Gostas de equações

As mais simples

Às mais complexas

Equações trigonométricas

Equações de segundo grau

Equações diferenciais

 

Se eu não morrer

Levar-te-ei a ver o primeiro clarear da manhã

O teu primeiro luar

O primeiro pôr-do-sol

Se eu não morrer

Ler-te-ei o primeiro poema

Tantos poetas que tenho para te mostrar

Herberto

AL Berto

O'neill

Cesariny

Se eu não morrer

Ler-te-ei textos de Proust

Gogol

Ou de Luiz Pacheco

 

Se eu não morrer

Ensinar-te-ei a desenhar nos lábios da madrugada

A pintar o sono na geada

Se eu não morrer

Levar-te-ei a ver o mar

E os barcos da minha infância

E as mangueiras da minha infância

 

Se eu não morrer

Ler-te-ei os meus textos

Os meus poemas

Os meus livros

E mostrar-te-ei as minhas telas

 

Se eu não morrer

Mostrar-te-ei como se constroem pontes

Edifícios muito altos

 

Se eu não morrer

Oferecer-te-ei os teus primeiros livros

As tuas primeiras tintas

As primeiras telas

Se eu não morrer

Tirar-te-ei os teus primeiros retractos

E conhecerás as tuas primeiras cidades

Vilas

E aldeias

Se eu não morrer

Levar-te-ei ao Tejo

E a todos os rios do Planeta

Onde há um rio para olhar

 

Se eu não morrer

Ouvirás todo o tipo de música

E assistirás a todo o tipo de dança

Se eu não morrer

Levar-te-ei ao circo

Ao teatro

Cinema

 

Se eu não morrer

Farei tudo isso

Enquanto sentado numa cadeira em frente à Baía de Luanda

Espero que me levem

Que me levem para as sombreadas paisagens de prata

E me deixem brincar no telhado zincado de uma nobre cubata

 

Se eu não morrer.

 

 

 

 

 

Alijó, 10/12/2022

Francisco Luís Fontinha


16.02.20

86665335_3393221347361974_6194640659689766912_o.jp


Negrito, negrito,


Grito,


Gato,


To,


Miau.


Negrito,


Passeia-se pelo destino,


Desenha no pavimento,


Um grito,


Ou silêncio de menino.


Negrito, negrito,


Quando o cansaço acorda,


Corda,


No pescoço do periquito.


Negrito, negrito,


Assobio,


Matinal alvoroço,


Em fastio,


O tio,


Demãos no bolso.


Negrito,


Negrito, pois então,


Calma, calma companheiro,


Que ele, o gatito,


Não é difícil de passar a mão.


Ai, negrito,


Então, pois, é negrito…


Finge-se de morto,


Morto morrido,


Gato, gato vadio,


Vadio de ter sentido,


No pulso,


Nas mãos,


A espingarda da loucura,


Dura, negrito, dura,


Sem perceber que há um grito,


Uma palavra na ternura.


Negrito, negrito,


Negrito,


Guito,


Guito.


Negrito.


 


 


Francisco Luís Fontinha – Alijó


16/02/2020


03.01.15



(Desenho de Francisco Luís Fontinha)


 


 


Oiço Oumara Moctar Bambino,


o sémen invisível do sono alicerça-se aos lençóis de porcelana,


habito um terceiro andar reumático,


romântico,


loucamente apaixonado,


brinco com os círculos do desejo,


tenho um sonho,


acordo e sinto-me um palhaço de vidro,


sem beijos,


sem... sem abrigo


Oiço Oumara Moctar Bambino,


e uma jangada de insónia poisa no meu ventre...


 


 


 


Francisco Luís Fontinha – Alijó


Sábado, 3 de Janeiro de 2015


Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub