Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...


08.12.22

Encosto a cabeça

À sombra do teu corpo.

 

Faço um cigarro com as estrelas do teu olhar,

Enquanto abraço a nudez do teu corpo

Que cresce no espelho da noite,

Escrevo nos teus doces lábios de mel,

 

Tanta coisa que poderia escrever,

Tanta coisa, minha querida…

Que nada escrevo.

 

Pego num pequeno cordel do sono,

E com ele,

Trago o silêncio

E o mar que habita no teu peito,

Depois,

Pego na insónia,

E da insónia faço uma flor

Que poiso na tua boca; uma flor colorida de beijos.

 

Encosto a cabeça

À sombra do teu corpo,

E espero que o nosso mar…

Que todo o nosso mar…

Entre pela janela,

Como entram as estrelas do teu olhar,

Quando abro a janela da manhã.

 

 

 

 

 

Alijó, 08/12/2022

Francisco Luís Fontinha


01.12.22

Quando a noite

Em despedida

Dorme docemente nos teus lábios.

 

A noite deixou de pertencer às andorinhas em flor

E no meu jardim

Onde tenho palavras e sonhos

Um poema cresce nos lábios da paixão

E o dia nunca será meu.

 

Nada será meu nesta planície

De esqueletos desventrados pelo sono

Das cansadas noites

Quando tenho poesia

E as estrelas dos teus olhos.

 

No entanto

Oiço os meus poetas

Escrevo aos meus poetas,

 

Palavras

Desenho-os em telas nuas

Os corpos da neblina

E mesmo assim

Oiço-os pensando ainda estarem vivos.

 

Quando a noite

Em despedida

Dorme docemente nos teus lábios,

 

E do teu cabelo em brincadeiras de vento…

 

A paixão dos pássaros em nossas mãos!

 

E Deus?

 

 

 

 

Alijó, 01/12/2022

Francisco Luís Fontinha


29.11.22

Desenho-te neste triangular silêncio

Que a luz escreve no meu corpo

Oiço-te em gemidos

Declamares os meus poemas

E descanso no teu sorriso.

 

Desenho-te sem saber desenhar

E escrevo na tua mão

Sem saber escrever

Mas invento o vento

No teu saber.

 

Morro.

Cruzo os braços dentro desta urna invisível

E das minhas lágrimas

Em partida

Vêm a mim as estrelas adormecidas.

 

E parte de mim

O rio onde me afogo;

Tenho medo

Que a noite não regresse mais

Aos meus lábios insaciados na tempestade.

 

Desenho-te neste quadro sem nome

Em fúria que desce a montanha

Onde poiso as cores do Outono

E uma ardósia de sono

Prende-me aos teus olhos de amar.

 

 

 

Alijó, 29/11/2022

Francisco Luís Fontinha


28.11.22

Escrevo neste rio teimoso

Rio que habita no meu peito

Escrevo nos teus olhos

As lágrimas do amanhecer

Escrevo e não escrevo

Mas temo que o não possa fazer

Quando nos teus lábios

Crescer uma flor.

 

Escrevo neste rio envergonhado

Que dentro de mim se perdeu na enxada da saudade

Dos dias sem dormir

Nas noites quando penso em ti

Montanha desalojada.

 

Escrevo com esta pincelada enxada

No teu corpo que desce a colina

Escrevo e não escrevo

Escrever em teu corpo de menina.

 

 

 

Alijó, 28/11/2022

Francisco Luís Fontinha


27.11.22

Tenho mais de cinco mil poemas publicados

Se cada poema fosse um beijo

Cinco mil beijos.

 

E quantas palavras têm os meus beijos?

E quantos beijos têm as minhas palavras?

Cinco mil beijos

Muitos beijos

Bocas

Lábios

Poemas e beijos

E companhia limitada.

 

Cinco mil palavras

Mais de cinco mil bocas

Outras tantas folhas em papel

Cinco mil beijos

Nos cinco mil poemas.

 

Quantos beijos tem uma palavras

E lábios?

Quantos lábios são cinco mil palavras

Dos cinco mil beijos?

 

Nos cinco mil poemas.

 

Cinco mil beijos publicados

Em muitas folhas em papel

Guardanapos manchados de vinho

Toalhas de restaurante

Tudo me servia para beijar

Os cinco mil beijos

Nos meus cinco mil poemas

Poemas de beijar.

 

Cinco mil beijos

Em cinco mil bocas

Em cinco mil pedaços de papel…

 

Cinco mil beijos.

 

 

 

Alijó, 27/11/2022

Francisco Luís Fontinha

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub