Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...


27.10.23

Pareces um anjo do meu sonhar,

Flor do meu jardim,

Poesia

Do meu dia,

Pareces uma estrela-do-mar

Quando dormes assim,

Embrulhada no perfume da insónia,

Pareces um anjo do meu sonhar,

Pintura da madrugada,

Pareces uma flor,

Uma flor do meu jardim…

Que nunca se cansa de te olhar.

 

 

27/10/2023


18.10.23

Em cada pedacinho de noite

Há um segundo de sono

Em cada silêncio de noite

Há um minuto de tristeza

E um indeterminado tempo infinito de insónia…

 

Em cada pedacinho de noite

Há uma lápide de Inferno

Com o meu nome

Com a minha morada

A cada silêncio de sono

Acorda um triste olhar de insónia

Em cada pedacinho de noite

 

Um segundo de noite

Em cada noite

Um segundo de Inverno

Enquanto o meu corpo se transforma em noite

Da noite em pedacinhos

Quando se despede a madrugada.

 

 

18/10/2023


25.09.23

Sobre ti

A espada lâmina

Em silêncio

Sem ti

Sobre ti

O pecado

A inocência do corpo

Quando o corpo

É apenas uma folha de papel

 

Sobre ti

Senti

O pigmentado corpo

Em desejo encarnado

De ti

Sobre ti

 

Em ti

Sobre ti

O cansaço da manhã

Quando acorda da insónia

O desejado corpo

Sobre ti

Sem ti

Sentir o veneno dos teus lábios

 

 

25/09/2023


24.09.23

20230924_191406.jpg

Deus inventou o cansaço

Porque nada tinha para fazer

Deus inventou a insónia

Porque nada tinha para fazer

Deus inventou o desejo

Porque nada tinha para fazer

E como passava os dias

E como passava as noites

Sem ter nada para fazer

Deus

Inventou a paixão

Deus inventou a paixão

Porque não tinha nada para fazer

 

 

24/09/2023


28.05.23

20230528_121800.jpg

Abraça-te aos meus braços de insónia

Quando o poema cresce nos meus lábios

Das palavras

As flores perfumadas

Dos teus olhos de amanhecer

Abraça-te ao silêncio da minha boca

Desta palavra envenenada

Cinzenta nuvem que poisas em mim

E não se cansa de crescer

 

Abraça-te às minhas tristes madrugadas

Dos poemas escritos

Dos poemas não lidos

Abraça-te aos meus braços de insónia

Abraça-te às tardes masturbadas

Do beijo que voa sobre o mar

 

Abraça-te às estrelas que habitam nos meus olhos

Rio curvilíneo

Da paixão entre parêntesis

Ao quadrado do cubo

A mão que afaga o meu rosto

Do Inverno escondido

Abraça-te à sombra de luz que me abraça

Quando a noite em gemidos

Dos abraços

O poema pertence aos meus lábios

 

Abraça-te pedacinho de mar

Fotão das noites em delírio

Abraça-te a este poema

Com fome

Com frio…

 

Abraça-te às minhas lágrimas de sono

Quando a noite pertence ao infinito

Abraça-te aos meus braços de insónia

Das palavras que morrem

Nas palavras que crescem

E brincam

Nos teus lábios de mel

 

Abraça-te aos meus braços de insónia

Quando o poema cresce nos meus lábios

Das palavras

As flores perfumadas

Dos teus olhos de amanhecer

Nos teus olhos as minhas palavras.

 

 

 

 

Francisco

28/05/2023


21.05.23

Neste pedacinho de papel

Escondo a primeira lágrima da manhã,

Desenho neste pedacinho de papel

O primeiro sorriso da primeira lágrima da manhã,

Neste pedacinho de papel

Escrevo o olhar da primeira lágrima da manhã.

 

Neste pedacinho de papel

Beijo a primeira lágrima da manhã,

E ainda tenho tempo,

Antes me de ausentar,

De abraçar a primeira lágrima da manhã.

 

Neste pedacinho de papel

Construo a primeira Caravela da manhã

E o último Galeão da noite…

Neste pedacinho de papel

Guardo as algemas do teu sono…

E poisa neste pedacinho de papel

A insónia…

 

 

 

 

Alijó, 21/05/2023

Francisco Luís Fontinha


05.05.23

Levo as minhas palavras

Em rebanho,

Subo a montanha, subo-a até ao cume,

Abro os meus braços de invisível silêncio…

E voo-o até longe,

Pego naquele livro que não se cansa de me olhar,

Aquele mesmo livro,

Olha… aquele…

O das palavras de dormir,

E lá dentro brincam as mãos com que acaricio o teu rosto de mar,

 

Sou filho do silêncio,

Meu amor,

Preciso tanto do silêncio,

Como preciso dos teus lábios…

Como preciso da tua boca,

E se não estivéssemos em Maio,

Sim, meu amor, Maio…

Mês de Maria, Maio de mulher, Maio de mãe…

 

Se não estivéssemos em Maio,

Eu estava louco,

Louco por ti,

Louco por todas as flores…

Louco dentro destas palavras em loucura,

E, no entanto,

Meu amor,

Não estou louco…

 

Nunca estive louco.

Abraço-te enquanto a noite se despede de mim…

E uma lágrima de sono

Anda de cama em cama,

E beijo-te calorosamente na ausência da tua mão,

Sofri tanto, meu amor,

Sofri tanto com as ruas de Setembro,

Quando ainda acreditava nas acácias do meu pai…

As acácias do meu pai morreram,

Mais tarde, morreu o meu pai,

E eu, continuei a acreditar nas acácias do meu pai,

Mas depois, ficou tudo tão triste…

 

Procuro a tua mão perdida no lençol da paixão,

Ó madrugada de sonhar…

Procuro-a, e não me canso de a procurar,

Quando sei que a noite começa a embriagar-se nos teus lábios,

(tenho medo de que a noite roube os teus lábios, meu amor!)

Tenho tanto medo.

Todos os dias, escrevo-te,

Escrevo-te dentro desta ausência que o meu corpo sente…

Escrevo-te enquanto percebo que há uma lágrima de mar

Na tua mão que procuro;

E mesmo assim…

Tenho medo de que me roubem os teus lábios meu amor!

 

Tenho tanto medo…

E não me canso de a procurar.

Procuro-a entre os destroços das minhas palavras,

E sobre esta secretária, a minha ausência travestida de insónia…

(Levo as minhas palavras

Em rebanho,

Subo a montanha, subo-a até ao cume,

Abro os meus braços de invisível silêncio…

E voo-o até longe)

E quando chegar ao longe…

A tua mão procurada poisará no meu peito.

 

 

 

Alijó, 05/05/2023

Francisco Luís Fontinha

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub