Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...


08.03.22

Que Vladimir Putin é louco e assassino, ninguém duvida. Infelizmente não é o único.

Condeno veemente o ataque ao povo Ucraniano, mas não sou hipócrita e, condeno também a chacina ao povo da Palestina ou o que a China está a fazer à minoria Uigure que todos os dias é chacinada; alguém se importa? Claro que não.

Temos um louco na Coreia do Norte, Venezuela, Irão e tantos outros; infelizmente são estes povos que sofrem com sansões, como o povo Cubano à mais de 60 anos. Alguém se importa? Claro que não.

Há pouco tempo Maduro era ditador e o povo da Venezuela atolado em sansões, hoje, os EUA decidiram negociar o aumento da exploração de petróleo na Venezuela, pois parece que dá jeito a Biden.

Volodymyr Zelensky é a partir de agora um fantoche nas mãos de Biden e o seu povo irá pagar caro a ajuda que está a receber; acreditem que não há almoços grátis.

Parece que com a invasão da Ucrânia quem está a enriquecer são os EUA e os Chineses; a EU perdeu, estando dependente em termos energéticos da Federação Russa aproximadamente em 260 Milhões de Euros por dia. Agora mesmo, Putin, proibiu as exportações de petróleo e gás.

Além da crise humanitária e económica, temo que a Europa venha sofrer no futuro com a quantidade de armas que estão a ser distribuídas, que ninguém controla e que no futuro podem (quase de certeza) vir a entrar nos circuitos do crime organizado.

E nada nos garante que nos próximos anos não apareça um louco na Ucrânia como Ossama Bin Laden, pois este individuo foi treinado e armado pelos EUA (CIA) para combater, nos anos 80, os Russos no Afeganistão e, mais tarde aconteceu aquilo que todos sabemos (11 Setembro). Esperamos que não.

A hipocrisia chega ao ponto de odiarem-se e sancionarem-se os intelectuais, artistas e desportistas da Federação Russa; acredito que muitos deles não têm culpa do louco e assassino que os governa.

Já agora retirem das prateleiras todos os livros de Fiodor Dostoievski, Tolstoi, Nikolai Gogol ou todos os quadros existentes em museus de Kandinsky.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha


30.01.22

Abraça-me,

Como se eu fosse uma pedra

Fundeada no mar.

Abraça-me,

Como se eu fosse uma ponte

Suspensa no ar.

Abraça-me,

Como se eu fosse uma janela

Para observares o luar.

Abraça-me,

Como se eu fosse um poema

Nos sonhos de sonhar.

Abraça-me,

Como se eu fosse uma flor

Nos teus lábios ao deitar.

 

Abraça-me,

Como se eu fosse uma pedra,

Ou uma pequena alma penada;

Porque deste corpo em guerra,

No final, não sobrará nada.

 

E de abraço em abraço,

De cidade em cidade,

Esqueço o cansaço,

Mas nunca, nunca esqueço a saudade.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 30/01/2022


04.02.21

Guardo o teu nome

No granito sonolento da noite,

E, sabes? Oiço os pássaros

Que brincam nos teus lábios.

Caminho velozmente na solidão do entardecer

Como se fosse uma flecha

Ou uma espingarda preguiçosa.

As palavras que a espingarda preguiçosa

Dispara, são murmúrios,

Vozes em papel

Que descansam nas planícies do poema.

Apetecia-me suicidar o poema.

Matar todas as palavras escritas no poema,

Como fazem os ditadores aos seus opositores.

Guardo o teu nome

Na algibeira da insónia,

Lugar onde habitam as minhas memórias

E todas as minhas fotografias;

Tal como o cansaço, a solidão

É o alimento das flores sem nome.

A paixão,

O amor que dorme nas janelas transparente e,

Onde vivem os cérebros inadaptados do meu jardim.

Um pequeno passeio,

Uma lâmpada dispersa,

Na sepultura do adeus.

Tal como ontem,

Sessenta anos passara sobre a revolta,

O cansaço das armas

Nas palavras dos homens.

A covardia de não acordar,

Deitar-me sem sono,

Fingir que durmo numa sombra imaginária,

Onde brincou o meu pai.

E, uma cabana de sono

Sabe que nas minhas palavras,

Há um livro que se revolta

E pergunta; para quê?

O telegrama regressou,

Trazia na mão uma côdea de sangue,

Alguns pertences e,

Uma malga de nada; ninguém come nesta casa

Até a aldeia se libertar do cansaço dos pobres.

Oiço tiros de canhão,

Granadas importadas,

Lança-chamas improvisados e,

Esta maldita guerra não termina nunca.

A refeição chegou na marmita,

Um pedaço de pão é lançado aos crocodilos

Como se de pedras se tratasse.

O Rossio é lindo, mãe!

Cai a neblina sobre a cidade,

Das palmeiras veem-se as gaivotas em cio

Que disputam o campeonato nos musseques perdidos,

As pedras, achados de cerâmica,

Pássaros e abelhas,

Almotolias que transportam o salgado azeite da escuridão diurna,

Que apenas o soba sabia para que servia.

Hoje, depois de acordar,

Todos os sonhos são tristes palavras

Nos braços do mar.

Sabeis vós quanto custa um grama de sono?

- Meu rapaz; aqui é proibido ter sono.

E, adormeceu eternamente até se cansar de gritar.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha, 04/02/2021

...


27.03.15

Adormecido nas ostras marés da serpente de prata, para o inferno…


E,


Não, filho!


A guerra foi perder tempo, corpos, estórias e memórias, o meu melhor amigo


Morto!


O caixão entre quatro tábuas de sofrimento, a algazarra da embriaguez ouvia-se nos poemas em círculo, a fogueira incendiava a paixão,


Dispo-me?


Não, filho!


Promessas,


Dispo-me, olho-me no espelho do enterro, ele


Não,


Ele de espingarda ao ombro, imaginava-se um soldado de chocolate, sentia dentro do seu peito cada disparo, cada dor, cada…


Fugiu!


Ontem, ao final da tarde, a viagem até ao ninho das cegonhas negras, descia a noite sobre o capim dos beijos analógicos,


Na parede,


Fugiu…


Os ponteiros mergulhados numa poça de sangue, a lápide esperava-o na aldeia, o meu pai


Coitado,


Sentado numa cadeira a vender seguros de vida, falsos, claro


O telegrama,


Morto em combate,


Claro, amanhecia e ele sentia-se um peixe perdido nos fósforos do desejo, e a morte mesmo ao seu lado…


 


 


(ficção)


Francisco Luís Fontinha - Alijó


Sexta-feira, 27 de Março de 2015

...


25.03.15

O exílio disfarçado de madrugada, alguns papeis, livros poucos, um retracto do meu avô e… e nada mais do que isso, Margarida chorava com a minha partida, eu, finalmente em liberdade,


Os panos,


Os cortinados envernizados de saudade


Pai, regressaste?


Não, filho!


A morte não tem regresso, os cortinados envernizados de saudade, a manhã despedia-se do paquete que me transportaria


Para o inferno,


Que me transportaria para o infinito beijo do capim, sonhava com lobos, coelhos e cobras


Cobras?


Serpentes engasgadas pela ventilação mecânica dos fósforos sem memória, esquecem-se dos cigarros sobre a lápide, a fotografia, e


Não, filho!


Para o inferno…


 


(ficção)


Francisco Luís Fontinha – Alijó


Quarta-feira, 25 de Março de 2015

...


21.03.15

O meu melhor amigo, morreu


Maldita guerra, terra... nada, para nada, recordo o sorriso dele, em criança brincávamos junto ao mar, desenhávamos barcos nas paredes do sono, sentados, pintávamos beijos no térreo chão com odor a desejo, Margarida


Farta das cartas, meu amor, amo-te, ando no mato e percebo que a tua sombra me acompanha, sinto os teus doces lábios no cano da minha G#. bê lá, meu amor,


Margarida, desenho no cano da minha espingarda... Amo-te...


O meu melhor amigo, a criança de sorriso encarnado que todas as tardes voava sobre os nossos cabelos de espuma...


 


 


(ficção)


Francisco Luís Fontinha - Alijó


Domingo, 22 de Março de 2015

...


20.03.15

Não, não amanhã, amanhã vou à cidade, deixar o meu cadáver para ser enviado para a Metrópole, uma ardósia no peito, 123768979/66,


Só isso, pai?


Só isso, quando chegamos,nada tínhamos, apenas um caixote de nada, um rio nas veias... e tu


O mar, pai?


Morreu, disseram-me..., não percebi, morte!!!!!


O que é a morte, pai?


Voar, 123768979/66... em combate, o silêncio do Grafanil, os sorrisos das mangueiras nos meus lábios,


E...


Pai?


Sim, filho, Margarida reaparece da escuridão, tinha como hábito brincar na areia branca da praia dos sonhos,


Mãe, o pai?


Ficção, tudo isto, nada, a dor, acordava de madrugada a gritar por granadas, G3 e literatura, literatura, mãe?


Poesia, textos, trazia na algibeira da farda...


Farda, mãe?


Poesia, textos, trazia na algibeira da farda... toda a sua estória, as canções de menino, os primeiros beijos,


Margarida?


Sim António...


Viste os meus livros de “AL Berto”?


Talvez no chão, a carta, o sorteio


Três milhões de mortos,


Mortos?


Não, mortos não, Euros


Três milhões de Euros, meu filho?


Sim, mãe, sim...


 


 


(Ficção)


Francisco Luís Fontinha – Alijó


Sexta-feira, 20 de Março de 2015


19.07.14

Sábado,


a metralhadora do silêncio começa a disparar,


uma mulher vestida de negro, caminha vagarosamente para o altar,


alguém a espera, alguém a ama, e só alguém a pode desejar,


sábado,


hoje não há palavras de escrever,


hoje só uma ténue lâmina de sémen suspensa na janela da cidade com chaminés de vidro,


ela dispara, ela mata... e depois, depois cessa... depois... depois abraça-se às feridas que choram,


hoje, sábado, a metralhadora do silêncio começa a disparar...


a tarde escoa-se através de uma conduta de beijos, e há os cabelos da noite enrolados no vento,


a mulher leva um livro na mão, uma bala que lhe dita o futuro não existente,


ela deita-se sobre a lápide da solidão, e espera, e espera...


 


Espera que um coração de papel acorde da ressaca de sexta-feira,


 


Sábado,


um dia invisível,


chuvoso,


a cidade com chaminés de vidro, arde,


e sente,


os estilhaços no corpo de uma criança,


 


ASSASSINOS!


 


Sábado prometido,


hoje, hoje, hoje o que posso eu dizer...


que invento mulheres vestidas de negro?


que há metralhadoras apontadas ao meu peito?


Sábado...


ASSASSINOS!


 


Os meninos,


brincam no centro do furacão,


os calções fendidos, os calções de chocolate baloiçando nas pernas íngremes da madrugada,


e sábado..., e sábado os ASSASSINOS...


saciam-se à volta de uma mesa redonda, recheada de comida,


e os meninos, morrem,


e os ASSASSINOS... e os ASSASSINOS escondem os sobejantes calções de chocolate,


e ninguém, e ninguém os consegue parar...


 


 


Francisco Luís Fontinha – Alijó


Sábado, 19 de Julho de 2014

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub