Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...


17.12.15

Encontramo-nos no infinito,


Só os dois,


Como as velhas espigas de milho em Carvalhais,


Sentávamo-nos na eira


E ouvia as tuas estórias…


Dizias-me que um dia o rio acordaria no meu leito,


Até hoje, ainda não vi esse rio,


Talvez te tenhas enganado,


Talvez esse rio já tenha adormecido no meu leito…


E eu, e eu sem dar por ele,


Acreditas?


Acreditas nas gaivotas em papel?


 


Francisco Luís Fontinha – Alijó


quinta-feira, 17 de Dezembro de 2015


04.12.15

(dedicado a Carvalhais – S. Pedro do Sul)


 


Diz-me que és


Noite amaldiçoada que me acorrenta à solidão


Prefiro a morte


Do que ausentar-me de ti


Não quero


E nunca quis…


Perder-te para a ilusão


Diz-me o que és


Sombra peregrina das manhãs de nevoeiro


Montanha desgovernada


Descendo a Calçada


Diz-me


Loiça de porcelana entre cigarros e algumas frestas de insónia


Nas pálpebras o imensurável coração de prata


O rio


A ribeira


A eira


O silêncio do sino da aldeia


Perdido nas espigas coloridas do milho


As abelhas poisadas nos teus ombros


A malvada da cidade


Em combustão


Sem idade


Identidade


Ou saudade


Feliz aquele que não tem saudades


Feliz aquele que não sabe o que é a saudade


A ausência


O medo de perder-te


De perder o teu perfume embriagado pelas begónias em papel


Saio de casa


Regresso sem ninguém


Vou a ela


E ela não vem


A noite das sentinelas de cartão


O texto saltitando na cabeça de um prego enferrujado


Suicídio


Suicidou-se com um beijo teu


Enrolou-o ao pescoço


Desceu alguns centímetros…


Foi-se


O poema


A manhã e a noite


Diz-me que és…


 


Francisco Luís Fontinha – Alijó


sexta-feira, 4 de Dezembro de 2015


23.03.14



foto de: A&M ART and Photos


 


A noite não regressa, a noite é uma prostituta convicta, fã da escuridão,


eu, eu pertenço à noite, os teus lábios são filhos da noite, e as estrelas convencem-te que existe vida nas pedras, que existe vida nas árvores e gaivotas, que existe vida nos velhos cacilheiros...


atiro-me ao rio e procuro as tuas mãos que pertenceram ao meu rosto,


vivo, respiro pigmentos coloridos de saudade, e... e como fã da noite, sofro como sofrem os veleiros quando cessa o vento,


 


A noite entranha-se em mim, oleia-me os tentáculos sonoros do meu peito,


finjo viver quando lá fora, quando do outro lado da rua... não vivem, não existem...


nem noite, nem estrelas... e apenas uma corda de nylon me aprisiona a este cais poético derramando palavras nas searas de Carvalhais,


e escondia-me dentro do canastro... e sonhava que um dia, eu, eu pertenceria à noite.


 


 


Francisco Luís Fontinha – Alijó


Domingo, 23 de Março de 2014



01.03.14



foto de: A&M ART and Photos


 


Da noite percebia-se o olhar felino de Madame Silêncio, havia um cortinado de fumo que nos separava, ela, ela escondia-se sob o perfume camuflado das areias em flor, havia em nós pergaminhos por descrever, palavras inaudíveis que preferíamos não pronunciar, medos, desejos prometidos e não realizados, sonhos desfeitos, como as folhas que o Outono assassina, da noite a noite, só, sem mais nada, do rádio sentia-se a voz trémula de um poema por escrever, alimentado por desenhos insignificantes, tristes talvez, e sabíamos que tudo não passava de uma noite inventada pelos olhos de uma abelha,


Não entendo o sisudo espelho do nosso quarto, dizia-me quando nos preparávamos para dormir, o corpo dela deixou de fazer sentido, inexistente, apenas uma imagem esquecida num edifício caduco, e quase que do outro lado da rua conseguíamos as âncoras do destino, via-se nos seus seios o peso desmesurado da solidão, e às vezes, eu, fingia dormir, e não dormia, e não sabia o significado de dormir, de sonhar, e eu, eu não sabia porque choram os pássaros em Carvalhais, porque me sentava nas margens do Tejo a imaginar palavras no sombreado da preia-mar,


Da noite em ti,


Eu só, ao teu lado, eu só, sem ti, porque o teu corpo era uma réstia de luz que quando abria a janela..., ele desaparecia, o fumo separava-nos, e éramos todas as noites invadidos por sussurros gritos da vizinha do segundo esquerdo,


Os nossos vizinhos constantemente a fazer amor, dizia-me, eu calado, eu


Silêncio,


E sabíamos que tudo não passava de uma noite inventada pelos olhos de uma abelha, e que essa abelha nunca, nunca nos pertenceu, algures tínhamos deixado as mãos no rosto de um gladíolo, havia cheiros, barcos em movimento, corpos transversos, e que nunca percebemos a razão de existirem,


Silêncio,


Eu calado, eu uma rocha ancorada ao púbis dos inanimados marinheiros quando saíam dos bares de Alcântara, os pedacinhos de sono estampados no paralelo agoniado, a cerveja e a vodka davam para alimentar meia dúzia de veleiros, sofríamos a angustia das varandas como fotografias a preto-e-branco, e em nós o sexo penetrava-nos como se fossemos mercadores ambulantes, beijava-se, e amavam-se, e


Madame Silêncio, ela embrulhada num esqueleto esquizofrénico, e havia um cortinado de fumo que nos separava, ela, ela escondia-se sob o perfume camuflado das areias em flor, havia em nós pergaminhos por descrever, palavras inaudíveis que preferíamos não pronunciar, medos, desejos prometidos e não realizados, sonhos desfeitos, como as folhas que o Outono assassina,


Desejosa de


Partir?


E partiu sem deixar um sorriso,


E desejosa, ela, que todas as folhas que o Outono assassina deixassem de ser folhas assassinadas, livres, como dever ser o mar e a paixão.


 


 


(não revisto – ficção)


Francisco Luís Fontinha – Alijó


Sábado, 1 de Março de 2014



29.11.13



foto de: A&M ART and Photos


 


deixarei de pertencer aos teus olhos


e vagamente... deixarei nas tuas nuvens de algodão o cigarro fantasma


deixarei de adormecer nos teus cabelos como o fazia antes das madrugadas serpenteadas


nas oito esquinas do medo


ouvirei perfeitamente as tuas mágoas...


terei o leve cuidado de acariciar os teus lábios


e


deixarei de voar nas tuas lágrimas de maré embriagada


e vagamente transformar-me-ei na cinza do teu imaginário cinzeiro


haverá uma janela engomada


com cortinados de fumo


e haverá... uma língua endiabrada pernoitando no meu angustiado peito


 


servirei de teu mordomo devidamente fardado


andarei pelos corredores da tua imaginação levitando sem tocar nos objectos de adorno


sentirás dentro de ti o meu vagabundo corpo


e nada conseguirás fazer para cessarem os teus sinceros gemidos


baterá o vento levemente nas ardósias dos tentáculos pinheiros de Carvalhais


ouviremos o sino engasgado nas sílabas das searas de milho


deitar-te-ás dentro do espigueiro...


e o teu ventre correrá em círculos na eira granítica do desassossego


amar-te-ei?


mesmo sabendo tu que sou um espantalho de aldeia


onde poisam os pássaros


e cagam os pássaros... sobre mim


 


sobre nós


deixarei os livros cansados das minhas mãos


dos meus olhos


às palavras... às palavras vou derramar-lhes o fogo do silêncio


embrulhado em pergaminhos sonos


e verei transversalmente o meu esqueleto no patamar da morte


ouvirei os teus casmurros beijos


como sentirei em mim os teus deleitados dedos


sujos


imundos...


transbordando sémen como caravelas esquecidas no Oceano dos vidros solitários...


e acabarei por pertencer aos ramos caducos do Outono


 


 


(não revisto)


@Francisco Luís Fontinha – Alijó


Sexta-feira, 29 de Novembro de 2013



28.03.13



foto: A&M ART and Photos


 


Que faço aqui, vestida de corpo, nua, sobre um ninho de vento quando desce a madrugada, e lá fora, chove torrencialmente, há traços verticais de cor negra nas ardósias sobre as porta que habitam o corredor das amoreiras em flor, desconheço a cor da tua pele porque a tempestade me vendou os olhos com a página de um livro de poemas, mas imagino que sejas escura, como a penumbra das águas selvagens, mas imagino que sejas de barro com formas circulares e pintada de encarnado, e imagino que sejas a obra inacabada do Príncipe das noites dos sonhos, que faço aqui


(sobre uma cama travestida de divã, com duas mesas-de-cabeceira, dois candeeiros com lâmpadas que mais parecem fantasmas vestidos de ténues lençóis desbotados com uma porção desconhecida de lixívia, ela triste, ele feliz, a cama nem por isso, torcia-se e encolhia-se, quando repentinamente, corpo de mulher e lençóis misturaram-se como se fossem dois líquidos, ou uma porção de barro e duas de areia, ou...)


Que faço aqui, meu Deus?


(ou o sol que não há forma de entra neste infestado quarto por algas marinhas e peixes voadores, acreditas meu amor?)


Claro que sim, meu querido, acredito em peixes com asas, em vestidos de arame bordados com uma finíssima rede de aço, acredito em drogas, acredito em noites fantásticas, acredito em corpos esculpidos por mãos de silêncio, acredito em ti vestida de corpo, nua, sobre um ninho de vento quando desce a madrugada, e lá fora, chove torrencialmente, há traços verticais de cor negra nas ardósias sobre as porta que habitam o corredor das amoreiras em flor, desconheço a cor da tua pele porque a tempestade me vendou os olhos com a página de um livro de poemas, mas imagino que sejas escura, como a penumbra das águas selvagens, mas imagino que sejas de barro com formas circulares e pintada de encarnado, e imagino que sejas a obra inacabada do Príncipe das noites dos sonhos, que faço aqui...


Aqui, meu querido!


(aqui chove torrencialmente, imagino-te deitada sobre uma cama deserta, inerte, invisível, uma cama perdida numa cidade sem nome, não consigo precisar se estás vestida, nua, ou numa mistura das duas, sei que tens sobre ti a mínima luz da solidão, sei também, porque o imagino, que os teus olhos são castanhos, aqui, escuto-os a subirem as escadas até ao andar superior, imaginar-te de uma outra forma, é quase impossível, como é do teu conhecimento, vendaram-me os os meus olhos com uma página de um livro de poemas, e sinto-me triste)


Triste porquê, meu querido?


(triste porque chove, triste porque sou contra a destruição de livros, e a página que me venda os olhos verdes, jamais voltará ao seu destino, provavelmente, quando a venda me for retirada, será destruída, pelo fogo, pela água, ou terminará os seus dias como o pó, dos ossos, a voarem sobre a planície de trigo com a eira em pano de cenário, e o espigueiro encostado às sombras da tarde, esperando que o rego da água se encha de alegria, e circule em volta da terra fértil, as cinzas do teu corpo desnudo..., acreditas, então?)


Aqui, meu querido!


(ou o sol que não há forma de entra neste infestado quarto por algas marinhas e peixes voadores, acreditas meu amor?)


Sim, sim meu querido, claro que acredito.


 


(ficção não revisto)


@Francisco Luís Fontinha



26.03.13



A&M ART and Photos


 


Imaginava-te uma sombra de luz rodeada por leões e cavalos e abelhas, imaginava-te selvagem como as acácias do madrugar vento da cidade pintada de amarelo, imaginava-te hirta, morta, abandonada, numa tela de prata com fios invisíveis de chocolate e café depois do jantar, imaginava-te sentada numa pedra com cinco esquinas, três andares, e uma cave


Uma casa de banho e uma banheira, uma janela para o quintal da vizinha, velha e rabugenta, imaginava-te sentada na banheira a confidenciar segredos às pétalas de água em gotas minúsculas, e lá fora habitavam as grandes nuvens de tédio, brincavas com a espessura do sonho, e fechavas a mão no meu peito de xisto,


Imaginava-te no espelho da cave abraçada ao piaçaba, e teias de aranha, e o soalho em decomposição, imaginava-te o putrefacto esqueleto das flores apaixonadas pelos olhos do leão, e com sorrisos construídos em mentiras e finais de tarde imaginários, brincavas com o cavalo e com as abelhas, como o fazias em criança, e como o fazíamos enquanto amantes por correspondência, um curso suspenso no tecto da noite corpuscular, uma menina de celofane embrulhada em relógios a pilhas, e tudo quando depositávamos os pertences mais secretos num armário incorrecto, em pedaços de lixo, sem porta, como as lareiras de trás-os-montes


O frio silêncio em meus braços,


Imaginavas-me sentada na banheira, olhava a torneira e sentia o vazio da água a correr, imaginava-te como um rio, entre pedras e curvas, até que ao longe, da janela, sabia que encontravas sempre, que encontravas o mar, mas hoje, hoje percebo que perdeste-te nas imagens brancas de uma cidade inexistente, uma cidade sem casas, uma cidade com fome, sem amor, e eu, parva, imaginava-te a subires os quase cinquenta degraus, ouvia-te o pulsar do coração, ouvia-te a voz pregada ao corrimão e quando batiam à porta


Ele está?


Mentia-lhes e dizia-lhes que deixei de ver-te como quem abandona um álbum de fotografia, com histórias, com corações e nas traseiras dela inscrito “EU + TU”, mentia-lhes e dizia-lhes que a última vez que estive contigo foi nos rochedos junto ao cais dos homens apaixonados, onde sempre que vem a trovoada de incenso, uma boca procura docemente os inocentes poemas da menina que passa as horas sentada na banheira a brincar com a água, a imaginar


A praia, o mar em decomposição, as janelas do ciúme às portas da ruína, os automóveis procurando alimentarem-se de saliva, beijos e outros pequenos organismos, sempre, vivos,


A imaginar do longínquo campo de trigo, um corpo, nu, deitado entre a terra e as pedras ao redor da eira, o canastro dorme com as espigas de milhos colhidas no ano anterior, às vezes, desaparecia e escondia-me lá dentro, deitava-me em cima do milho e imaginava-te


Nos teus braços, lábios,


Imaginava-te sobre mim como as pequenas sombras de luz que as fendas das ripas construíam nas doiradas espigas, pedia que começasse a chover, e o sol fazia de mim um boneco cansado, um boneco de palha seca, e um chapéu com três ou quatro buracos, estava de pé e encontrava verticalmente com a ajuda de um cabo da piaçaba,


Na cave, entre teias de aranha, imaginava-te mergulhada no círculo trigonométrico e traçava ângulos no teu peito, calculava a tangente três meios de pi, e entre os teus seios, sabia que dois triângulos rectângulos brincavam como duas mãos de milho, seco, dentro do espigueiro, com ranhuras de luz,


Nos teus braços, lábios, a carlinga pesadíssima poisada nas pedras abandonadas das tardes encobertas, pedíamos sol, e tínhamos chuva, pedíamos beijos, e infelizmente, nunca tínhamos beijos, nem água, nem a banheira para ela brincar, imaginava-lhe uma banheira e imaginava-a sentada à beirinha como se estivesse dentro de um barco a remos a olhar distraidamente os finos papeis de esperança onde escrevíamos recordações com marisco, bebíamos cerveja e sonhávamos com papagaios de papel sobre o Céu, logo pela manhã, mesmo antes de acordarmos,


E acordávamos ressacados, dávamos conta que não tínhamos banheira, o pequeno barco a remos encontrava-se estacionado junto ao contentor do lixo e a janela da casa de banho, onde eu a imaginava sentada esperando pelo meu regresso, nunca


Existiu,


(tínhamos medo da solidão, comprávamos cigarros avulso e líamos os jornais da semana anterior, tínhamos alguns livros que íamos vender para comermos, e um dos teus cachimbos queria fugir, tentou cortar os pulsos com um isqueiro, não o conseguiu, não teve coragem para o fazer, e, mentia-lhes e dizia-lhes que deixei de ver-te como quem abandona um álbum de fotografia, com histórias, com corações e nas traseiras dela inscrito “EU + TU”, mentia-lhes e dizia-lhes que a última vez que estive contigo foi nos rochedos junto ao cais dos homens apaixonados, onde sempre que vem a trovoada de incenso, uma boca procura docemente os inocentes poemas da menina que passa as horas sentada na banheira a brincar com a água, a imaginar)


E imaginava-a, sem roupa, dentro da banheira com espuma de Primavera.


 


(ficção não revisto)


@Francisco Luís Fontinha



10.03.13

Eras tua ainda, trazias nos cabelos os fios de noite que a lua deixou sobre as nuvens de insónia, eras tu ainda e nada fazia prever o desfecho da tua passagem pela madrugada de Inverno, desenhava-te nas paredes imprevistas e húmidas do palheiro de Carvalhais (S. Pedro do Sul), na eira, eras tu ainda, sentia-te correr até encontrares os pinheiros de algodão que o avô Domingos tinha na fogueira da velhice, e no entanto


Perdi-te, perdi-te como se perde o vento numa superfície lisa e na planície imensa sem obstáculos que impeçam a livre circulação da paixão, escrevia-te silenciosamente as cartas que nunca enviei, por medo, por falta de tempo, ou,


Porque o vento nunca me deixava, ou porque o vento me enrolava no campo indefinido de milho com espantalhos em pano e palha, ora aqui, ora acolá, perdidamente, só, pensando nas infinitas palavras por escrever, as ditas, e não ditas, quando chegava a chuva e tínhamos de nos recolher, debaixo do sono, sem luz eléctrica, e de uma lanterna inventávamos filmes de desenhos animados, e ainda era tu, sabia-o porque apalpava-te a mãos de seda e um brilho de diamante acendia a noite escura entre os espantalhos, também eles, perdidamente,


Sós?


Coisas de mulheres, éramos crianças saltitantes sobre os arames enferrujados que atravessavam as margens inconclusivas das manhãs sem literatura, bebíamos, lutávamos sobre uma cama inventada com sabor a sémen e Luas recheadas com os sobejados flamingos do rio que atravessava a cidade, dentro da cidade tínhamos pessoas, mulheres, homens e, pássaros que nunca tinham experimentado voar,


Por medo, por falta de jeito, ou porque o vento nunca me deixava, ou porque o vento me enrolava no campo indefinido de milho com espantalhos em pano e palha, ora aqui, ora acolá, perdidamente, só, pensando nas infinitas palavras por escrever, as ditas, e não ditas, quando chegava a chuva e tínhamos de nos recolher, debaixo do sono, e


Sós? E eras tua ainda, levantávamos-nos cedo, imaginávamos lençóis de linho estendidos nas cordas bambas que a tempestade tinha trazido do outro lado da ilha, vivíamos separados por um túnel de mel, lá fora as gotas de água, as poucas, quando caiam sobre a tua pele de papel fotográfico, uma luz de iodo se acendia, e um pequeno trapezista com mãos de aranha voava como os pássaros que


Por medo, por vergonha,


Nunca tinham experimentado as loucuras do prazer entre telhados e espantalhos, crescia a manhã, vinhas de longe até longe, como algumas palavras que nunca se cansam de prenunciar, escritas, faladas ou murmuradas contra os vidros da janela com orelhas de madeira, lembras-te? Sós, e ainda eras tu, e ainda tinhas nos lábios um filete de rosa


(Coisas de mulheres, éramos crianças saltitantes sobre os arames enferrujados que atravessavam as margens inconclusivas das manhãs sem literatura, bebíamos, lutávamos sobre uma cama inventada com sabor a sémen e Luas recheadas com os sobejados flamingos do rio que atravessava a cidade, dentro da cidade tínhamos pessoas, mulheres, homens e, pássaros que nunca tinham experimentado voar,)


Um filete de rosa com sílabas vermelhas, da água gelada cresciam as estrelas minguas dos teus olhos com sabor a geada, eras, ainda tu, quando desceram do céu os grandes dentes de marfim que se acorrentaram aos cadáveres dos barcos encalhados na tua saia, ouvia-te chorar quando eu entrava em casa fora de horas, dois ou três dias depois de partir, e apenas te respondia


Andei por aí,


Vagueava como vagueiam as nuvens de prata com sandálias de couro, os calções acordavam numa praia de areia branca, linda, e ao longe imaginava tendas de circo com palhaços, com artistas malabaristas, como hoje, por aqui e colá, entre espantalhos e fios de seda, entre sémen de maré e o pôr-do-sol que ainda nos resta e ainda vive em liberdade,


Sentias-me?


E fugias de mim como ainda hoje fogem as palavras dos caderno preto,


Sós?


Tristes


Ou


Por aí cozinhando caldos em colheres de inox,


Tristes,


(DUAS SIMPLES HORAS, E DAQUI A DUAS HORAS JÁ VOLTO A ESTAR AUTORIZADO A FAZER AMIGOS POR AQUI, COMO SE A AMIZADE DEPENDESSE DE REGRAS, NÃO SERÁ ISTO UMA FORMA DE DITADURA?) - FACEBOOK


Ou,


Sós? Tristes porque hoje já não és tu, porque ontem


Tínhamos as poucas coisas a que chamávamos de vida, e dois espantalhos (de pano e palha) vivíamos no campo de milho do tio Serafim, e ao longe, ouvíamos os sinos de Carvalhais, e numa noite


O vento


Ou


O mar?


Separou-nos como se separam as ervas miseras da cidade, entre ruas e ruelas, entre espantalhos e os pinheiros de algodão que o avô Domingos tinha na fogueira da velhice, e no entanto


Hoje já não tenho medo.


 


(ficção não revisto)


@Francisco Luís Fontinha


26.02.13

Não saberia esquecer-te se eu pudesse recordar-te, saciar-me com a tua boca quando nada alimenta as manhãs de Inverno, eu, invento o tempo, o dia, desenhando a noite no teu corpo ensonado, procuro-me misturando a insónia com os delírios das palavras incandescentes, húmidas quando derretidas nas planas pistas de veludo onde dormes eternamente, e esperas-me, e escreves-me livremente nas paredes da solidão liquefeita, e uma asa de papel vai esconder-se dentro de uma nuvem de prazer,


(começo a não perceber o que escrevi apressadamente num pedaço de papel sobre os joelhos),


Esqueço o orgulho, escondo a tristeza, pego no telemóvel e marco o teu número, uma voz de chocolate diz-me que...


O número que marcou não se encontra atribuído,


E eu, começo, a cada milímetro que me aproximo do rio, a acreditar, a acreditar que afinal


Nunca exististe, tal como eu, que pertenço aos assombrados murmúrios das distantes letras de sabão, inventaste-me louco para te distanciares de mim, inventaste-me a miserabilidade pela mesma razão da loucura, e depois queres fazer-me acreditar


Que a lua é quadrada, que as pedras são as lágrimas das estrelas, e que o mar, e que o mar vive num buraco com grandessíssimas hélices de vidro, como o amor, clandestino, debaixo de uma árvore, ao lado da árvore vive uma casa, dentro da casa uma mulher com cabelos de vento, e dentro dos cabelos de vento


(começo a não perceber o que escrevi apressadamente num pedaço de papel sobre os joelhos), o número que marcou não se encontra atribuído, e depois querem fazer-me acreditar que a noite é negra, que as cidades têm ruas sem saída, e que nas calçadas habitam pedaços de cartão onde se embrulham homens, mulheres, crianças


Pode lá ser possível,


E dentro dos cabelos de vento uma gaivota com lágrimas de Primavera traz-nos livros que o cacilheiro náufrago derramou sobre o Tejo, poemas, frases, palavras sem nexo como as árvores do quintal de Carvalhais, coisas, poucas, algumas, o sangue derramado na secretária imaginária que a mulher com cabelos de vento


Dentro da casa, uma cadeira, duas mesas de madeira, dois tristes corações com lâmpadas de halogéneo, do electrocardiograma nada a salientar, normalíssimo, o RX pulmonar apenas algumas sombras, provavelmente devido ao dia com alguma nebulosidade, como as janelas quando vêm as marés de azoto e roubam do parapeito os discretos vasos de cerâmica, (Nunca exististe, tal como eu, que pertenço aos assombrados murmúrios das distantes letras de sabão, inventaste-me louco para te distanciares de mim, inventaste-me a miserabilidade pela mesma razão da loucura), e hoje apetecia-me um Sábado louco sobre a mesa de uma cave no interior de uma ruela escura, suja e imunda, como os navios regressados de ontem,


Perdi-me nas clareiras tuas faces pontiagudas, e dos alicerces teus lábios, uma corrente de aço não me deixa aproximar, e quando me perguntam o que tenho a declarar, respondo


Nada, Excelência, apenas que se faça justiça,


E assim foi,


(Não saberia esquecer-te se eu pudesse recordar-te, saciar-me com a tua boca quando nada alimenta as manhãs de Inverno, eu, invento o tempo, o dia, desenhando a noite no teu corpo ensonado, procuro-me misturando a insónia com os delírios das palavras incandescentes, húmidas quando derretidas nas planas pistas de veludo onde dormes eternamente, e esperas-me, e escreves-me livremente nas paredes da solidão liquefeita, e uma asa de papel vai esconder-se dentro de uma nuvem de prazer),


Qual será a raiz quadrada do AMOR?


 


(ficção não revisto)


@Francisco Luís Fontinha

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub