Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...


26.09.23

Ofereço-te esta flor de lótus

Que acordou do poema

Ofereço-te um beijo

Que mergulhou no poema

E viaja em direcção ao mar

Ofereço-te a minha mão

Que pega no teu cabelo

Onde escondes a flor de lótus

Que eu te ofereci

 

Ofereço-te poesia

Ofereço-te palavras

E as tristezas do dia

E as tristes madrugadas

 

Ofereço-te esta flor de lótus

Como palavra ou confissão ou oração

Enquanto procuro nos teus lábios

Os segredos do luar

E as sombras da noite

Que te atormentam

E te ofereço

Esta flor de lótus

 

Ofereço-te esta flor de lótus

Que acordou do poema

Ofereço-te um beijo

Que mergulhou no poema

E viaja em direcção ao mar

Como se fosse uma lágrima

Não de uma lágrima de chorar…

Como se fosse uma lágrima de amar

Este porto transatlântico sem nome

E que transporto nos ombros.

Por tudo. Ofereço-te esta flor de lótus. E um punhado de fome.

 

 

26/09/2023


04.05.23

Há na tua mão

Um pequeno pedacinho de luar

Há no teu olhar

A manhã desenfreada e apressada

Das lágrimas à madrugada

Enquanto o silêncio se traveste de canção,

 

Há na tua mão

O alegre sorriso da alvorada

Deste relógio com fome

Há na tua mão

Um pequeno pedacinho de luar…

No luar sem nome,

 

Há na tua mão

A palavra que semeio nos teus seios em poesia

Quando o poema deixa de viver

E se cansa do dia

Há na tua mão

Um pequeno pedacinho de luar… no luar do meu escrever.

 

 

 

 

Bragança, 04/05/2023

Francisco Luís Fontinha


11.02.23

Deste sono aleatório,

Equação invisível da paixão,

Teu corpo meu dormitório,

Teu corpo minha canção,

 

Quando o vento se recusa a erguer,

E escreve em tua mão…

Nas palavras de escrever,

As palavras do meu coração,

 

E do poema a voar,

No poema em pedaços de mel,

Teus lábios em mar,

 

Do mar pedestal;

Desta equação escrita no cansado papel…

Um dia, acordará do sono… o teu sono infiel.

 

 

 

Alijó, 11/02/2023

Francisco Luís Fontinha


27.12.22

Deito a cabeça no teu ventre

E oiço as andorinhas

Quando acordam pela manhã,

 

Esqueço-me que existo

Deixo-me ir enquanto a noite voa nos lábios do silêncio,

 

Deito a cabeça no teu ventre

E todas as estrelas vêm aos teus olhos

Como se fossem pássaros

Como se fossem árvores

Ou palavras semeadas

Nas margens de um rio,

 

Deito a cabeça no teu ventre

E consigo ouvir o mar

E todos os mistérios do mar,

 

E adormeço em ti

Como adormecem as sílabas

Nas páginas de um livro,

 

E a noite é uma canção que apenas os teus lábios conseguem ouvir.

 

 

 

 

 

Alijó, 27/12/2022

Francisco Luís Fontinha


21.11.22

Se eu pudesse, plantava em cada sombra

Uma linda flor.

Se eu pudesse, em cada olhar triste

Semeava o mar e o luar.

Se eu pudesse, em cada sorriso

Semeava um beijo,

E nos lábios da manhã

Desenhava o Sol.

 

Se eu pudesse, não havia frio,

Se eu pudesse, todas as noites

Eram o silêncio embrulhado nas marés sem inferno,

Se eu pudesse, todos os barcos dormiam na minha mão

Como dormem as palavras que lanço ao vento.

 

Se eu pudesse, inventava o poema,

O foguetão sem combustão,

Se eu pudesse, ninguém morria do coração,

De cancro ou de solidão…

 

Se eu pudesse, em Janeiro era Verão,

Trazia o mar para junto da minha janela,

Se eu pudesse, escrevia uma canção,

Se eu pudesse, não havia fome,

E o pão,

E o pão, se eu pudesse, era liberdade,

 

Se eu pudesse…

Se eu pudesse, voava,

Escrevia sobre o mar,

O poema da paixão,

Se eu pudesse, queria novamente ser criança,

Dar-te a mão,

E de mão dada,

Se eu pudesse,

 

Dormia enquanto houvesse madrugada.

 

 

 

Alijó, 21/11/2022

Francisco


05.10.22

Pego nestes barcos em papel cremado

E lanço-os ao mar da saudade,

Uns voam, outros navegam sobre a cidade,

E ainda outros… parecem um rochedo encalhado,

 

Tal como um coração despedaçado,

Quando o Outono transporta o luar,

E há sempre uma pequena lágrima no mar,

Porque estes barcos em papel cremado

 

São como corpos sepultados,

Riem, choram e dizem que a noite estrelar

Os deixa muito cansados,

 

Como as tuas flores, na madrugada…

São gemidos, são vozes a suplicar,

Porque são as tuas flores; as tuas flores de amar.

 

 

Alijó, 05/10/2022

Francisco Luís Fontinha


08.05.22

Descia a calçada descalça

Dentro da sombra imanada da solidão,

Descia a calçada envenenada

Pelas rosas do meu jardim,

Descia a calçada descalça

Acompanhada pelo perfume do Verão,

Descia a calçada cansada,

Cansada de tanta paixão,

 

Descia a calçada das estrelas

Como se o sopro da manhã

Se levantasse do chão;

Descia a calçada madrugada

Enquanto o enforcado poeta

Escrevia na mão…

Enquanto a desgraçada calçada

Morria de paixão.

 

Descia a calçada descalça

A menina das planícies além-mar,

Trazia um barco suspenso na saia

E um marinheiro acorrentado aos lábios…

Descia a calçada descalça

A menina luar,

Sem perceber que esta calçada

É apenas um pássaro de voar.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 08/05/2022

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub