Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...


20.07.14

Aos dias ímpares, as horas que me são roubadas por uma mão sem nome,


as sílabas disparadas pela espingarda das sanzalas embalsamadas,


o meu corpo não cessa no púlpito do cansaço, ele evapora-se, ele... ele transforma-se em zinco lamaçal,


há uma criança inventada, uma criança perdida na saudade...


aos dias ímpares, as horas malvadas,


que alimentam a dor,


que... que engolem todos os amanheceres,


e do meu corpo, apenas o coração de pedra ficou adormecido na eira da poesia,


 


Aos dias ímpares, o triste calendário envergonhado,


a desassossegada fantasia de um texto alienado, quando arde na fogueira da tua pele,


uma cidade nos espera, uma cidade em papel...


 


Aos dias ímpares, as horas, os minutos, e os... e os milésimos de segundo,


alguns em liberdade, e outros... e outros acorrentados a um envelhecido veleiro,


hoje não há vento,


hoje... hoje apenas a límpida tarde de pano a soluçar sobre as árvores do triângulo equilátero,


é este o meu Mundo?


ter uma cidade sem candeeiros em desejo,


ser filho de um desenho que o tempo apagou numa longínqua parede,


e contento-me com todos os dias ímpares, as horas que me são roubadas...


 


E a tua mão... e a tua mão, um dia, terá um nome, idade, raça, sexo... religião,


 


Aos dias ímpares, a geometria na doçura da caligrafia,


um poema morto, um poema descendo a calçada em direcção ao infinito...


e o meu corpo não cessa no púlpito do cansaço...


 


E o poeta permanecerá eternamente nas sanzalas embalsamadas!


 


 


Francisco Luís Fontinha – Alijó


Domingo, 19 de Julho de 2014


03.07.14

Um fino lençol de areia embrulhava a triste caligrafia,


nas minhas pálpebras de papel um poema crescia,


e sentia-me absorvido pelo silêncio do algodão vestido de chuva,


uma vezes sentia o cansaço disfarçado de melodia,


outras... outras eu sofria,


cantava,


chorava,


inventava beijos de alegria,


e de alegria não tinha nada,


a caligrafia derramava-se nas encostas íngremes da montanha adormecida,


e o papel onde eu escrevia...


amarrotava-se... e... e ardia...


 


 


Francisco Luís Fontinha – Alijó


Quinta-feira, 3 de Julho de 2014


24.01.14



foto de: A&M ART and Photos


 


 


Desço da tua árvore em desejo como uma serpente sem veneno...


 


sou a tua caligrafia quando a noite se perde em ti


 


e tu


 


tu pareces um pedaço de papel sem palavras


 


paixões de areia que voam com a tempestade


 


amores de gelo que acordam entranhados em geada


 


saudades e saudades e saudades...


 


saudades de não ter saudade...


 


de ti...


 


… de ti quando eu era o teu corpo mergulhado no cacimbo desempregado


 


triste...


 


tão triste como os candeeiros da cidade do mendigo embriagado...


 


 


 


Desço da tua árvore


 


visto-me de caligrafia gaivota sobre os telhados da penumbra madrugada


 


oiço-te em gemidos vagabundos e das alegres naftalinas que o dia contempla... sofres


 


e finges que a Primavera inventou a caligrafia das tuas mãos envelhecidas,


 


 


 


Vai e sente a deslumbrante areia branca com janelas de xisto viradas para os socalcos da dor


 


e que em ti cresçam e se alimentem as ardósias tardes em literatura


 


não


 


não te revoltes


 


não


 


não tenhas medo das gaivotas em caligrafia desgovernada... quando das flores cardumes de abelhas


 


invadem os enxames de peixes que a manhã constrói depois dos pingados beijos descerem...


 


descerem da tua árvore em desejo


 


em silêncio


 


o medo


 


a boca que arde e em jeito de meia-caligrafia...


 


oiço-te em torradas e chás de menta... eis o desejo como uma serpente sem veneno...


 


 


 


 


 


@Francisco Luís Fontinha – Alijó


 


Sexta-feira, 24 de Janeiro de 2014


 


 


 


(por razões de ordem pessoal, nas próximas semanas, não publicarei... poesia, texto...)


 


Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub