Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...


05.11.23

O medo

Do amo-te loucamente

Sem sentido o começo da manhã

Sem juízo o perfeito destino do silêncio,

O medo

Do amo-te loucamente,

Escondendo na mão as palavras que te escrevo,

Nas palavras que semeio nos teus olhos.

 

O medo

Do amo-te loucamente

Quando este relógio me engana,

Quando este relógio se esquece de mim,

E de me acordar.

O medo

Do amo-te loucamente

Quando a manhã é uma flor,

 

E a noite,

Um pedacinho de luz nos teus lábios de beijar.

O medo,

Amo-te loucamente,

Do amo-te loucamente

Sem insígnias na lapela,

Sem estrelas no meu olhar…

Do teu doce amar.

 

 

05/11/2023


27.09.23

Escondes no olhar

As purpurinas palavras de escrever

Do silêncio da manhã sem poesia

Escondes na mão o mar

Que não se cansa de viver

Viver a cada dia,

 

Escondes no olhar

A alegria que acorda no amanhecer

Enquanto no teu cabelo de vento

Um pedaço de luar

Está desesperado e com medo de morrer…

Quando a morte é apenas um verbo sem tempo

 

E sem tempo de acontecer,

Escondes no olhar

A tristeza que avassala a sanzala com lábios de amar

Escondes no olhar o medo de viver

Junto ao rio que pincela o luar

Junto ao rio de amar…

Com o medo de tudo perder.

 

 

27/09/2023


23.09.23

Vieram as primeiras chuvas

E levaram-no para o mar

E levaram-no num abraço

Vieram as primeiras chuvas

Veio o cansaço

E o abraçaram

E o levaram

Para o mar

 

Vieram as primeiras chuvas

E levaram-no para o mar

E levaram-no para os teus olhos de mar

Perdidos nas primeiras chuvas

À procura do mar

 

Vieram as primeiras chuvas

E levaram-no para o mar

E levaram-no para os teus braços de embalar

Vieram as primeiras chuvas

As primeiras lágrimas de amar

 

 

23/09/2023


15.08.23

20230815_101834.jpg

Perco-me neste labirinto

Procurando a sombra da tua mão

Na tua mão que sinto

Que sinto a tua mão

 

Perco-me dentro deste livro de poesia

Procuro neste livro os teus olhos de mar

Procuro neste livro o sorriso do dia

E as lágrimas do luar

 

Procuro neste labirinto de insónia adormecer

As primeiras palavras da madrugada

E sem querer

 

E sem o desejar

Procuro neste labirinto o teu rosto de cansada…

Quando este labirinto é os teus olhos de mar.

 

 

 

Alijó, 15/08/2023

Francisco Luís Fontinha


16.07.23

20230716_172830.jpg

 

Amo-te nesse esconderijo de mar

Com medo de te amar

Com medo de te perder

Quando nunca te tive

Nem sei

Se algum dia te vou ter.

 

Amo-te nesse esconderijo de mar

De palavras de silêncio

E em silêncio

Com medo que os teus doces lábios de mel

Se transformem em fel

E o teu olhar seja apenas um olhar

E não o olhar do mar.

 

 

 

16/07/2023


04.05.23

Há na tua mão

Um pequeno pedacinho de luar

Há no teu olhar

A manhã desenfreada e apressada

Das lágrimas à madrugada

Enquanto o silêncio se traveste de canção,

 

Há na tua mão

O alegre sorriso da alvorada

Deste relógio com fome

Há na tua mão

Um pequeno pedacinho de luar…

No luar sem nome,

 

Há na tua mão

A palavra que semeio nos teus seios em poesia

Quando o poema deixa de viver

E se cansa do dia

Há na tua mão

Um pequeno pedacinho de luar… no luar do meu escrever.

 

 

 

 

Bragança, 04/05/2023

Francisco Luís Fontinha


02.04.23

Desenhei no teu olhar

Uma flor sem idade,

Uma flor com medo de amar…

De amar… amar a saudade.

 

Desenhei nos teus lábios de amendoeira

A cidade antes de acordar,

Uma cidade que dorme na fogueira…

Na fogueira do mar.

 

Desenhei em ti uma lágrima de chorar,

Enquanto a manhã se despede de mim…

Uma flor sem rosto, uma flor cansada de amar…

 

Amar as manhãs em poesia,

Desenhei no teu olhar o meu jardim

E o silêncio do dia.

 

 

 

Alijó, 2/04/2023

Francisco

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub