Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...


14.01.23

Adão olha para Deus, acaricia o cabelo de Eva e responde à questão colocada por Deus; e se para Eva tinha sido maravilhoso, para Adão

Um poema mergulhado no sono, onde as palavras são facas afiadas na boca do luar, uma mão que desce da alvorada e poisa nas margens do rio.

Deus, sorriu.

Convém dizer que Deus já tinha criado a nespereira, a pedra, o homem e a mulher e a vagina, e claro, a maquineta de fotocópias e os cigarros.

Faltava criar o mar, os peixes, todas as restantes árvores e arbustos, os pássaros, a literatura e a poesia.

Adão em silêncio, pega na mão de Eva e leva-a até ao rio (o autor alerta que os rios já tinham sido criados por Deus), senta-se sobre a pedra onde tinha passado a noite anterior a fotocopiar a vagina e num pequeno sussurro diz a Eva,

Sabes meu amor, agora sei o significado do desejo e do prazer e da paixão e do amor.

Eva olha-o e responde-lhe que também ela, também ela tinha descoberto o desejo e a alegria de ser desejada; dois corpos que se desejam e se perdem na neblina de um olhar.

Enquanto Deus olhava pôr-do-sol desenhado nos olhos de Eva, dá-se conta que ambos tinha acabado de descobrir a poesia.

A poesia das pequenas gotículas que crescem nos corpos quando em desejo, estes, se transforma num só e o corpo deixa de ser corpo, o corpo veste-se de poema, grita, geme e ama.

 

 

 

Alijó, 14/01/2023

Francisco Luís Fontinha

(ficção)

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub