Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...


31.03.11

A cidade encerra as portas no crepúsculo da noite, uma janela semi-aberta deita-se sobre o mar, o soalho começa a ganhar vida, e na cidade alimento-me do sofrimento da maré, ao fundo da rua desço a calçada, meto no quelho da pensão, à porta, putas esperam por uma hora de carinho, meia hora paga a preço de ouro, é a única voz que oiço junto ao mar, e no cais um veleiro tenta engatar-me, começa a apalpar-me as pernas, eu frio na espinha, ele insiste, o meu corpo encolhe-se na água, emerge na noite, a cidade à minha espera, a cidade à espera dele, ele sozinho nas ruas desertas, um silêncio aproxima-se, e o jantar ficou na tarde de ontem, o veleiro quer-me, eu odeio-o, e apetece-me partir-lhe a cabeça, e ele sem cabeça à procura dos miúdos junto ao Tejo, o Tejo abandonou-me quando eu criança fumava cigarros nas suas margens, cigarros não, quando eu criança fuma charros nas suas margens, e sobre as minhas costas o comboio para Cascais. Eu sentado, eu olhando Almada, eu ao fundo da rua…


Deixei de ver o sol, deixei de olhar a lua, deixei de ver o sol das tardes junto ao Tejo, das saudades do meu corpo que ainda hoje deve passear-se junto ao rio, hoje eu sem corpo, hoje apenas ossos, um esqueleto suspenso em sofrimento, e ontem eu o sol, e ontem eu a lua, hoje não, hoje não nada.


A cidade encerra as portas no crepúsculo da noite, uma janela semi-aberta deita-se sobre o mar, o soalho começa a ganhar vida, e na cidade alimento-me do sofrimento da maré, ao fundo da rua desço a calçada, uma sombra a gritar-me, e eu a esconder-me nos braços do veleiro, tiram-me a cabeça, cortam-me as mãos, e eu sem cabeça, e eu sem mãos, eu apenas com braços nos braços do veleiro, o veleiro sorri, o veleiro quer-me na noite, e da noite uma roseira entala-se num plátano, o plátano em corrida acaba por tropeçar no néon das ruas, ao fundo da rua uma puta espera, desespera, e nas sombras sorri,


- vai uma voltinha, filho?


E a cidade encerra a janela, acenda a luz e se tiver sorte, se tiver sorte hoje tem jantar…


 


 


(texto de ficção)


FLRF


31 de Março de 2011


Alijó

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub