Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...


11.04.17

O dia vai longo, meu amor,


É quase noite e vejo-me enrodilhado de palavras órfãs que se masturbam junto à paragem do eléctrico,


Dos poucos livros que me restam apena o “fugitivo” ficou a acompanhar-me,


Dizem todos que sou louco, meu amor,


Porque gosto mais de brincar com as palavras do que jogar futebol na areia da parai, onde em criança, esquecia-me das tardes no Mussulo,


O destino vingou, das minhas mãos deixou de haver areia húmida e pedrinhas… que deitava escrupulosamente para um balde em plástico e depois enchia os bolsos de recordações,


O teu olhar, meu amor, na ausência das pálpebras incendiadas pela escuridão,


Ao longe um comboio recheado de crianças e palavras,


Barulhentas, brincalhonas como são as árvores no Outono, diariamente sinto no corpo o dardo envenenado dos teus lábios, quando sei perfeitamente que o amanhã não existirá mais…


Hoje pertenço-te…, hoje pertenço-te e pertenço-me, somos dois catetos galgando as tristes paredes de xisto da tua boca, vim de longe, segredei-te sem perceberes que eu te mentia, nem à hipotenusa consegues chegar… quanto mais a cateto…


Ou a triângulo rectângulo…


O dia vai longo, meu amor,


É quase noite nos meus olhos, e lá fora uma velha cancela geme, os pregos enferrujados, as ripas entrelaçadas num emaranhado de sombras regressadas do Além…


Roço-me no teu corpo e morro.


Abraço-te.


Sem dizer ou escrever que te amo…


 


 


 


Francisco Luís Fontinha


Alijó, 11 de Abril de 2017

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub