Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...


06.03.13

Pedi a todos os sons que se calassem e, cessou-se-lhe a respiração, vi, como se fossem uma nuvem de fogo, dois olhos a separarem-se de uma cabeça com caracóis loiros, dos lábios, um fino aroma a morango sobressaía e emergia do pequeno cadáver que Deus (como é costume dizer-se) tinha chamado até si,


Perguntava-me


Porquê ela?


Responderam-me que era a vontade de Deus, e eu, eu que nunca contrariei a vontade dele, mesmo discordando das suas leis, às vezes, egoístas, aceitei


E


Porquê ela?


Perguntava-me,


E porque não eu? Sim, podíamos trocar de posição, e em vez de ela adormecer eternamente no leito de lençóis bordados com flores e corações, poderia muito bem ser eu, eu no lugar dela, eu enroscado nos pedaços de cartão que arrebanhei do caixote do lixo, que todas as noites dorme na esquina da rua,


Porque eu, dizia ele, não faço falta,


E eu, não concordo, porque todos fazemos falta, mesmo os cadáveres indefesos, sem família, sem nada, mesmo esses, alguém sentirá a sua falta, e por isso proponho


A Associação dos Cadáveres Abandonados, com sede numa rua perdida dentro da cidade também ela perdida, uma cidade completa, com árvores e pássaros e barcos, e homens e mulheres


Que dormem embrulhados em pedaços de cartão,


(Pedi a todos os sons que se calassem e, cessou-se-lhe a respiração, vi, como se fossem uma nuvem de fogo, dois olhos a separarem-se de uma cabeça com caracóis loiros, dos lábios, um fino aroma a morango sobressaía e emergia do pequeno cadáver que Deus (como é costume dizer-se) tinha chamado até si),


E homens e mulheres, tristes e sós, vivos e obrigados a transportar um esqueleto desclassificado e não catalogado, alguns até, já perderam metade dos ossos, outros, outros tiverem e sentiram a necessidade de os venderem, e há sempre um oportunista à procura de pechinchas


Porque eu, dizia ele, não faço falta,


E eu, não concordo, porque todos fazemos falta, mesmo os cadáveres indefesos, sem família, sem nada, mesmo esses, alguém sentirá a sua falta, e por isso proponho, proponho-me a vestir-me de estátua e ficar eternamente num dos jardins a fotografar à distância o rio, também ele, um cadáver, triste como eu, alegre como ela,


A Associação dos Cadáveres Abandonados associa-se às pechinchas & pechinchas do senhor Manel Zé, cigano respeitado e honesto, criador de cavalos e comerciante na área dos fios de cobre, e quando tem algum tempo, dedica-se a fabricar ouros em casa, e diz que são como os originais, mas depois de os acariciarmos, notam-se-lhes os ossos, um esqueleto esquelético como os suspiros de amor que a mulher dele, a dona Maria dos Anéis transporta nas axilas, e lá fora chora-se a partida da querida Margarida com os seus loiros caracóis e que por dificuldades da própria vida decidiu ir para longe, muito longe, até que ninguém se lembre dela,


E homens e mulheres, tristes e sós, vivos e obrigados a transportar um esqueleto desclassificado e não catalogado..., como os cortinado pesadíssimos, negros, que encerram as janelas da paixão, escondem as flores verdadeiras, enquanto as outras, de papel, fingem orgasmos nas asas das abelhas entre margens de um rio doente, pestilento, ofegante, ouviam-se-lhes as garras a atingirem as mandíbulas dos triciclos de aço, mabecos em fúria num País desorganizado e amedrontado, e diziam-me que no capim viviam sonhos


Rebolava-me sobre ele, escavava cavernas e inventava guerras com soldados de borracha, e juro


Nunca vi e senti, um sonho, portanto


Mentiram-me,


Mentiram-me como me mentiram quando me disseram que foi Deus que a escolheu, quando hoje sei, tenho a certeza, que ele, ele não tem paciências nem forças nem vontade


De se meter nessas coisas,


Mesquinhices de mulheres do soalheiro, escadas sem patamar semeadas por velhas, que esperam, esperam pela chegada do campanário, da chama iluminada de palavras, e depois de um crucifixo enferrujado atravessar durante a noite o rio dos Desgostos, elas, coitadas, ainda acreditam no poder


Do sabão em barra de antigamente,


E claro que ele não se mete nessas coisas, ele não é de mexericos, do disse que não disse, e certamente terá muito mais em que pensar, olha por exemplo


Como irá ele resolver o problema das infiltrações que estão a afectar severamente o sótão, e alguns dos livros já se encontram misturados numa penumbra húmida com listras verdes e amarelas e negras, outros deles, intactos, e até parece que nada lhe acontece, saúde de ferro como o bisavô António, sentado na eira a enrolar cigarros só com uma mão e a contar-me histórias da Primeira guerra Mundial, coitado, coitados deles, dos vivos, dos mortos e dos que cá chegaram transportando um esquelético esqueleto onde já se notava a falta de alguns ossos, talvez os tenham trocado por comida, ou


Perdidos pelos campos imensos e desconhecidos,


Eles regressaram, ele regressou,


E encontrou uma junta de bois mais esquelética do que ele e do que alguns dos seus camaradas, como é cruel a vida, e os chamamentos com as inexplicáveis cartas de chamada, hoje


Senhor Francisco?


Sim, sou eu,


Acaba de ser contemplado com uma viagem para o Além...


E Pergunto-me


Porquê, Porquê eu?


 


(ficção não revisto)


Francisco Luís Fontinha

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub