Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...


01.07.23

A coitadinha da moeda de vinte e cinco escudos, só, só na algibeira do magala, sem que ela tivesse percebido que dentro em breve estaria abraçada a uma pequena ranhura de uma cabine,

Os cortinados negros, inventando a noite, quando ainda era tarde, final de tarde, junto ao rio, ao longe,

Um petroleiro de sono, uma jangada em cio procurando engate, que me convidava às vezes,

E eu aceitava,

Que outras tantas mais vezes,

Me ignorava,

E eu…, ficava a olhar…

O Tejo,

Que eu às vezes, que eu às vezes, recusava,

Nesta triste vida de comandante deste navio,

Deste gigantesco petroleiro,

Ouvia-se no silenciar da noite inventada, o som da moeda de vinte e cinco escudos em pequenas descidas acentuadas,

Depois,

Depois uma mulher despia-se, aos poucos, uns… aproveitavam o silêncio para se masturbarem, outros nem por isso, e os outros…

Contemplavam,

O quê?

Um pedaço de carne esquecido debaixo de um pinheiro, o puto foi entregue à Ermelinda, e que, lá anda...

Contemplar,

O quê?

Contemplar uma mulher só, mais cansada da vida, de que a vida cansada dela, e, no entanto, comtemplavam-na…

Contemplar,

O cigarro e o cheiro intenso a sémen,

Às vezes, às vezes ouviam-se pequenos gemidos, dentro destas lâmpadas silenciadas que um louco qualquer desenhou na geada.

Às vezes, às vezes percebia-se no olhar desta mulher, percebia-se a fome, a porrada invisível que um chulo qualquer invisível lhe dava, muitas vezes, às vezes, até nos seios se percebia a tristeza desta mulher,

E, no entanto,

Apenas com vinte e cinco escudos…

Às vezes,

Às vezes, às vezes dos seios destas mulheres, desciam lágrimas de cansaço, desciam lágrimas de saudade,

Saudade da infância,

Saudade dos amigos da escola,

Saudade das ruas antes de nascer o sol.

E, no entanto,

Contemplavam-na,

Contemplar, o quê?

Contemplar duzentos e seis ossos, alguns já em mau estado de conservação, as pintinhas nos braços e afins, da agulha,

Que chutavam heroína,

Que fumavam heroína…

E mesmo assim, havia quem as contemplasse por uns míseros vinte e cinco escudos.

E ao fundo da cabine, o Tejo, o cheiro do Tejo, e enquanto se preparavam para bater mais uma…,

Encerrava-se o óculo, ficava escuro, ficava escuro dentro da cabine e do outro lado do Tejo, um navio escondia-se da tristeza.

Contemplar,

Contemplar uma mulher sofrida, às vezes quase criança, outras quase nem uma coisa nem nunca seria outra coisa, que não fosse,

Criança,

E mulher.

E contemplavam-na,

Tal como o beijo contempla os lábios, ou…, quando a maré entra pela janela, e ela, aquela mulher inventada, por apenas vinte e cinco escudos…

Contemplavam acreditando que do outro lado do Mundo, um apito perdido…, procurava a primeira lágrima da manhã.

 

 

 

01/07/2023

Francisco Luís Fontinha

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub