Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...


02.06.23

20230602_191804.jpg

Quis Deus e o destino e o Diabo que eu tivesse assentado praça na Ajuda, que nada ajuda, e que quando ajudava, não ajudava nada.

Depois de ter sido expulso de vários quarteis, desde o Bairro Alto a Cais do Sodré, passando por Alcântara Mar,

Fui cair…

Na Ajuda,

E da ajuda,

Quis Deus e o Destino e o Diabo…

Que da ajuda,

À Ajuda,

E logo que olhava o primeiro cacilheiro da manhã,

Zás,

Tombava no pavimento sonolento das sombras da noite anterior, depois, depois…

Nada.

Quem vem lá faz alto,

Disparava dois tiros de sono, um pirolito…

E zás,

Mais um dia, mais uma noite, mais uma Primavera e mais um Verão que era mais teimoso que a prima da prima da Primavera,

Baixava a cabeça, peganhava na minha mão…

E ao longe o Tejo em aflitivos gemidos.

Quis Deus e o Destino e o Diabo e o raio que o parta…

Que eu assentasse praça na Ajuda,

Sem ajuda,

Que apenas o Tejo me compreendia.

Inventava doenças aos meus pais, um dos meus irmãos estava sempre com problemas,

Coitado dele,

Coitado

Tinha tantos problemas que nunca saiu dos testículos do meu pai,

Tudo servia de desculpa para regressar a casa. Um dia, qualquer dia junto ao Tejo, convenci uma amiga para ir falar com o meu chefe e dizer-lhe que era a minha namorada e que estava grávida e que não sabia como fazer e que eu estava mortinho para regressar a casa…

O chefe comoveu-se, trouxe quinze dias.

Quando disse em casa que ia ficar quinze dias,

Quinze dias, porquê?

Porque a minha mãe achava normal…

E claro, que iam ser avós e que já não iam,

Não perceberam,

Eu também não,

Mas…

Ajuda, da Calçada, quando os parêntesis do sono se abraçavam a nós, e nós e eles e elas e eles todos…

Nada,

Ninguém percebia, porquê.

Durante a noite desenhava círculos nos cornos da lua, depois,

Depois,

Nada,

Depois aparecia o coveiro, pegava em nós e sepultava-nos junto a um cacilheiro, já muito velhinho, já muito trôpego, já muito…

Caia a noite sobre a alvorada, a espingarda começava a disparar fotografias de antigamente…

E depois,

Depois nada.

 

 

 

Francisco

02/06/2023


03.05.23

Dormíamos na copa das árvores.

Regressava a noite,

O Alfredo, sonolento, encostava-se ao interruptor do silêncio…

E segundos depois, acordavam todas as estrelas.

Meia-dúzia de putas…

Desciam a rua e encostavam-se a Cais do Sodré,

Regressava o vento lá dos lados do Tejo,

Depois, descíamos da copa das árvores,

Desenhávamos um abraço na doce manhã…

Fumávamos um cigarro,

E nada,

 

E nada vezes nada,

O zero medo quando os planetas machos procuram os planetas fêmeas,

Da varanda, a linda serpente embrulhada nos braços do Alfredo,

E tínhamos medo, e sempre que olhávamos o Tejo,

Um petroleiro com fome poisava em nós…

E acabava sempre, mas sempre, nas algibeiras da insónia.

Dias depois, o Alfredo…

PUM.

Dizem que por desgostos de amor,

Pegou no revolver…

E zás,

Um tiro nos cornos e dizem,

Dizem que ganhou um par de asas,

Asas,

Ou talvez cornos,

Já nem sei…

Passou tanto tempo, meu amor,

Tanto tempo escondido dentro daquele pedaço de silêncio,

E há tanto tempo que o Alfredo deu o tiro nos cornos…

Pedia-lhe perdão,

E ela,

Nada,

Zero vezes zero…

O zero primeiro milagre dos tristes embondeiros,

 

Ouvíamos os mabecos esfomeados em busca de sexo,

Num dos bolsos da gabardine,

O isqueiro,

E no outro…

A pedra e o livro das mortalhas,

E sabíamos, e sabíamos que brevemente,

Estávamos nos braços de um do outro,

 

Erguia-se da cadeira, olhava cada livro estacionado na biblioteca…

Depois, depois segredava-me…

Não gosto de ti.

Que se foda, pensava eu, e pensava bem,

E pensam bem todos aqueles que pensam.

Porque pensam.

Porque estão bem,

E quando tudo está bem…

Não se muda uma palavra ao poema.

Eu lia-lhe AL Berto no sorriso de um pedacinho de sémen,

E ela gostava tanto dos poemas de AL Berto…

Que eu, rapaz nada ciumento,

Sentia os meus primeiros capítulos de ciúme;

Os poemas de AL Berto.

 

Regressava a noite nos lábios da coruja,

Ele nunca soube o significado de ser amado…

Ele nunca soube o significado de ser desejado…

E, no entanto, ele amava todos os barcos do oceano,

E, no entanto, ele morreu, sem que todos os barcos do Oceano soubessem.

Despia-a na lentidão de Milan Kundera,

Acariciava-lhe os lábios entre os pequenos destinos de luar,

Começava a escrever no seu corpo todas as palavras que tinha recolhido durante a noite…

Mas como sempre, ela, horas depois, evaporava-se e depois de entrar na neblina sobre o Tejo…

Coitado do Alfredo,

Coitado,

Um tiro nos cornos…

E um par de asas em camurça.

 

Eu desenhava nas frestas da parede em gesso, junto a um crucifixo,

Todos os seus gemidos,

Todos os seus beijos,

Desenhava nas frestas da parede em gesso,

A paixão e o amor,

E enquanto fodíamos,

Cada um de nós pertencia ao sorriso da lua,

Ela dizia que queria ser bióloga,

Eu…

Quanto a mim,

Nada.

Quero lá eu ser isto e aquilo ou aqueloutro…

Para que quero eu um carro com tantos cavalos?

Nem tenho terreno onde os deixar durante a noite a pastar…

 

O relógio tinha-se esquecido de nós,

O marido dela estava de regresso do outro lado da rua,

E eu,

E eu tinha de apanhar o cacilheiro para o primeiro beliche que encontrasse,

Corria, corria e pensava como poderia um dia desenhar nas nuvens a primeira lágrima da manhã,

Mas como sempre, não o consegui; decididamente não sei desenhar lágrimas,

Não sei o que é uma nuvem…

E o relógio, sorria-me.

 

Amanhã é sábado, meu amor.

E depois?

O que me interessa a mim,

A mim,

Se amanhã é sábado,

Se ontem foi quinta-feira…

Ou se daqui a uns dias será terça-feira,

Se estamos em Janeiro ou em Outubro…

Ou no Natal.

Mas amanhã é sábado, meu amor,

Pois,

Pois,

E o Alfredo que se foda,

Pensas que vou deixá-lo sozinho com uma bala nos cornos?

Amanhã é sábado, meu amor…

Não. Os meus amigos são os meus amigos. E tive-os bons…

 

E eu vou começar a escrever-te cartas.

Olha, cartas de amor,

Com as palavras de um transeunte das noites de Alcântara…

Terra à vista,

Barcos na algibeira,

O comboio não pegou hoje,

Deve estar constipado, meu amor,

Só pode estar constipado.

 

Tantas flores, meu amor,

Tantas flores que lançámos da janela,

E hoje tratam-nos como dois viciados da poesia de AL Berto…

Dos jardins de Belém,

Quando da noite…

Regressavam os Mercedes Topo de Gama,

(CD),

E eu, meu amor,

E eu apontava num pequeno caderninho…

Todas as matrículas do sono.

 

Dias antes de o meu pai morrer,

Enquanto retirávamos a documentação para posteriormente entregar à agência funerária…

Eu, acreditas meu amor,

Eu estava lá; eu e a minha avó Valentina.

Que coisa estranha, meu amor…

Quantos anos eu andei dentro daquela carteira.

Quantos anos…

Quantas noites...

Quantos dias e horas e minutos e segundos e milésimos de segundo…

E eu, meu amor,

E eu nem carteira uso…

E eu, e eu nem um filho tenho para deixar o seu retracto dentro de uma carteira que não uso,

Que não tenho,

Que nunca tive

E que nunca terei.

 

Abraçava-te sabendo que depois de percorreres a ponte…

Te lançarias para o rio.

Mas eu, o covarde de sempre…

Nada,

Eu, nada.

Deixei-te morrer.

Deixei morrer os teus poemas e as palavras dos teus poemas…

 

Hoje, meu amor,

Hoje sou um velho sentado numa pedra cinzenta,

Fumo os cigarros da angustia e da puta que os pariu…

Desenho barcos na areia das tuas coxas…

Escrevo poema no sorriso dos teus seios…

E sei que um dia,

Qualquer dia,

Dentro do dia,

Depois de ser dia…

Morrerei…

E vão dizer,

Sim, meu amor,

Vão dizer que naquela pedra cinzenta,

Naquela pedra de ninguém…

Era a pedra onde se sentava o poeta dos sonhos.

 

 

 

Alijó, 03/05/2023

Francisco Luís Fontinha


14.04.23

Escondíamo-nos dos tristes candeeiros nocturnos

Quando a paixão espiava o acordar da noite,

Sabíamos que dentro daquele rio,

Envenenado até à foz,

Escondia-se o inferno de amar,

E cada palavra que semeávamos na árida terra de ninguém…

Uma gaivota de luz poisava-nos sobre os ombros estonteantes,

 

Éramos novos,

Passávamos a tarde a contar cacilheiros,

Linhas rectas traçadas no olhar…

E só acordávamos do outro lado do rio,

Quando ouvíamos os apitos em despedida…

A despedida,

A eterna despedida,

A ausência do corpo…

Quando o corpo pede o silêncio,

E da boca,

Chegava-nos o desejo…

E um longo beijo se erguia na alvorada,

 

Era triste o teu olhar,

Madrugada da simplicidade…

Eram tristes as manhãs junto às tuas mãos,

Quando do teu rosto,

As lágrimas se despediam da tua sombra,

 

Eram tristes as nossas tardes,

Como eram tristes todas as nossas bebedeiras e voos frenéticos junto ao mar…

Como ainda são tristes as tuas palavras,

Que escondo dentro de mim,

Como se pertencessem a uma lápide de luz…

Invisível,

Que apenas eu tenho acesso,

 

Eram tristes os poemas que te escrevia,

Como tristes se sentiam as minhas esferográficas…

Quando percebiam que te ia escrever,

E no entanto,

Escrevia-te…

Sem saber se junto ao rio,

O teu rosto de gaivota,

Ainda brinca com as crianças…

Ou se também ele já partiu,

 

Éramos tristes,

Éramos a ausência de uma cidade que constantemente vomitava silêncios…

E sempre que um de nós tombava no pavimento do medo,

Sentíamos a presença das estrelas que nos davam a mão…

E nos levantava…

Ora a mim,

Depois…

Depois,

 

Partiram todos os milhafres do nosso olhar,

Caravela quinhentista,

Gavião da minha tristeza,

Partiram todos…

Partiram sem se despedirem de nós…

Assim…

Como partem as andorinhas quando termina a Primavera,

Nunca se despedem,

Partem.

 

 

 

Alijó, 14/04/2023

Francisco Luís Fontinha


08.04.23

Regressam as primeiras equações de sono

E se Deus quiser

Todas as fogueiras

Onde ardem todos os corpos

São

Equações mergulhadas em pequenas equações de sono

 

Revolta-se porque a tristeza aportou em sua mão

Não o faças gazela do mato

Milhafre enfartado…

Nunca peças o perdão

Quando a montanha desce a calçada

E um círculo de luz

Leva-te até às profundezas do Tejo

 

Podias ter-te abraçado a esse rio

Podias dormir nesse rio

Peixe carnívoro de todas as abelhas em flor

Que do salgado sangue

Mergulham na tua boca

Os restos de esperma da noite anterior

 

Às palavras

Abraçam-se os cadáveres de prata que a manhã vomita sobre a geada

Cavaleiro e cavaleira

Madre

Padre

Filho e filhos

(da puta e não só)

Às palavras

Das lápides de sono

Que tal como as equações…

A calçada hoje é um dormitório de espermas ressequidos pelo incenso da vida.

 

 

 

08/04/2023

Francisco


27.03.23

Bebo o cálice de cicuta

Peço ao diabo que coloque mais lenha na fogueira

Escrevo a última carta

Puxo de um cigarro

Desenho nos lábios da paixão

A forca

Depois

Recebo a visita do criador

Quer que eu me transforme em árvore

Digo-lhe que não me apetece

Digo-lhe que vá para o caralho…

 

Sento-me à porta do cemitério

E conto os barcos que passam

Desenho na mão os barcos que passam

E os barcos que choram

E de todos eles…

Sinto a falta do meu pequeno barco a motor

Que colocava numa pequena poça… junto ao mar

E passava as tardes em círculos

Toda a tarde

Em círculos

 

Termino o cigarro

Ainda respiro

Graças a Deus

Levanto-me da cadeira onde me sentava

Em frente ao cemitério…

E começo a escrever no sorriso da noite

Enquanto a noite ainda me sorri

Enquanto a noite…

É noite

 

Depois…

Depois sei que a noite se vai travestir de puta

Que a noite vai correr pelas ruas de Lisboa

Que a noite se vende por um cigarro…

E que o magala de ontem

É o magala de hoje

Que o magala de ontem

Fode o magala de hoje

E que todos os barcos de ontem

São a sucata de hoje

Que os miúdos de ontem

Hoje

Alguns

São assassinos

Bêbados e drogados

Putas e travestis…

 

Bebo o cálice de cicuta

Peço ao diabo que coloque mais lenha na fogueira

Escrevo a última carta

Puxo de um cigarro

E finalmente oiço a voz do silêncio

Pego na espada que transporto junto ao peito

Olho-a

Ela olha-me

E dou-me conta…

Que o triciclo com que eu brincava

Hoje é um monstro

De madeira

Tem olhos azuis

E come todos os magalas que brincaram junto ao Tejo.

 

 

 

Alijó, 27/03/2023

Francisco


25.03.23

Semeávamos as palavras nas lágrimas do Tejo, enquanto junto a nós, um velho cacilheiro se perdia de amores pelo primeiro raio de Sol da manhã, e em cada punhado de palavras que lançávamos ao rio, um pedacinho de silêncio partia em direcção ao mar,

Tínhamos dentro de nós todos os sonhos, tínhamos dentro de nós todas as brincadeiras de um novo dia que brevemente começaria, que brevemente partiria, também ele, como partiram todos os sorrisos que conhecíamos.

Abraçava-a, pegava-lhe no cabelo de Primavera e sabia que do outro lado do rio, que do outro lado do rio havia um barco com mãos de prata e lábios de sangue; era o barco que me trouxe do outro lado do Oceano.

Uma criança chorava. Uma criança desiludida com os dias e com as noites e com os machimbombos…

O Tejo sabia que um dia, que um dia o meu corpo seria absorvido pelas suas mãos, e desde então, procuram nas suas águas um esqueleto sem nome, um esqueleto com asas, um esqueleto de vidro…

Semeávamos as palavras nas lágrimas do Tejo, enquanto junto a nós, um velho cacilheiro se perdia de amores pelo primeiro raio de Sol da manhã, os cigarros entre pequenas pausas para o café, levitavam e desapareciam como pássaros depois da tempestade, e nunca soube o nome daquela tempestade; como deixei de saber o nome das coisas, de todas as coisas.

Bebíamos pequenos tragos de uísque, dançávamos sobre a relva de Belém, à nossa volta, outros esqueletos preenchiam a tarde com piqueniques e outras coisas banais, fumávamos e bebíamos, e voávamos sobre uma Lisboa em construção,

Porque me mataram os esqueletos de prata?

Os barcos de regresso, diziam-nos que amanhã era o futuro, pequenos sorrisos num espelhos com janela para a Calçada da Ajuda, e ela, e ela percebia, aos poucos, que o meu esqueleto nunca mais seria encontrado naquele rio, naquele lugar, naquela cidade.

Hoje, hoje sou procurado pelas sombras daquela cidade, daquelas ruas, hoje sou maias uma das sombras que habitam os jardins onde crescem os pequenos sorrisos da infância.

Ergui-me da cama, abri a janela, puxei por um cigarro e ouvi da boca dela:

Vou embora.

Continuei a fumar, continuei a olhar o Tejo… até que ouvi o som desengonçado e perro da porta do quarto a fechar-se, como se fosse o fecho da tampa do meu caixão.

Depois, depois fechei a janela, escondi-me debaixo do chuveiro, e algumas horas depois, quando já de saída do quarto e chegando à rua, percebi que durante a noite alguém tinha mudado o nome daquela rua; e fiquei sem saber onde estava.

Apenas fiquei com o perfume de um rio, de um rio que pouco a pouco… morre dentro de mim, como morrem todas as coisas em que toco.

 

 

 

 

Alijó, 25/03/2023

Francisco


03.01.23

De todas as minhas telas

Nenhuma tem nome

Para quê dar o nome a uma tela

Se ela é prisoneira de uma parede

(nunca irá sair da parede)

E mesmo as que tenho amontoadas

Encostadas à parede

Não possuem nome

(vou levá-las a passear ao parque infantil?),

 

Menina Primavera

Não corra com pressa

Pode cair,

 

Ou

 

Menino orvalho

Se faz favor

Coma a sopa toda,

 

Ou

 

Sabe, infinito?

Sim, pai…

E o infinito nada sabe,

 

Portanto

Todas as minhas telas não têm nome,

 

Eu

O artista

Que desenha

Que pinta

Que dou vida a todas estas telas

Também como elas

Não queria ter nome,

 

Poderiam ter-me apelidado

De zero três um seis seis nove oito sete (03166987)

RH mais

Nascido a dezoito de Maio de mil novecentos e oitenta e sete
E falecido a nove de Agosto de mil novecentos e oitenta e oito

Residente no primeiro esquerdo

Porque no primeiro direito vivia a velhinha

Que tinha dois cães

Três gatos

E a neta era trapezista

(par-time)

Num circo que costumava estar estacionado junto ao Castelo,

 

E o zero três um seis seis nove oito sete

Numa linda noite junto ao Tejo

Estávamos em Julho

Enquanto a neta da velhinha passeava um dos felinos

(penso que seria o Alfredo)

Sentou-se à minha beira

(Primeiro pedindo sua licença)

E pediu-me que lhe escrevesse um poema…

 

E disse-lhe

Olhe menina

Poemas não escrevo

Poemas leio-os

E quando estou empanturrado

(gosto de escrever cartas à lua)

(e quanto a poemas costumo beber os de AL Berto e fumar os poemas de Cesariny),

 

Ela sorriu

Disse que eu era louco

(pois quem é que escreve cartas à lua?)

 

E continuando a ser o zero três um seis seis nove oito sete

(até nove de Agosto de mil novecentos e oitenta e oito)

Comecei a vender os dias

Vendia-os na rua

Na feira da ladra

Por aí

Por aqui

Até que quando me dei conta

Já não tinha os dias

E quanto às noites

(já estava empenhados em algumas horas)

Quanto às noites foi um autêntico desastre

Hoje diria um desastre ecológico,

 

Sabe, infinito?

Sim, pai…

E o infinito nada sabe,

 

Porque o infinito nunca quis saber de mim…

E eu

Diga-se

Também não

(só penso nele quando fumo os poemas de Cesariny e bebo os poemas de AL Berto).

 

 

 

 

 

 

Alijó, 3/01/2023

Francisco Luís Fontinha

(zero três um seis seis nove oito sete)

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub