Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...


20.12.22

Uma pequena sílaba estrelar

Solta-se dos lábios de uma flor

Não faz parte do poema

Não é o mar…

Nem é a dor.

Não é o cansaço

Dos ventos da madrugada

E também não é a Primavera

Que nunca me trouxe nada.

E dos lábios desta pobre flor

Solta-se uma lágrima

Uns dirão que é a chuva…

Outros que é a dor

E outros

Dirão que não é nada.

 

 

 

Alijó, 20/12/2022

Francisco Luís Fontinha


17.12.22

Em que rio te escondes

Corpo sonâmbulo das vagabundas noites

Mestre das palavras

Feiticeiro dos dias de neblina,

 

Em que corpo habitas

Cansado menino sem esperança

Melodia das manhãs de Inverno…

Que corpo é este

Que transporto

Que nada me diz

Quando desce a lua sobre o meu cabelo,

 

Não sei em que corpo te escondes

Se tens um corpo para te esconderes,

 

Sonâmbulo amigo

Amigo que procuras as espadas

E te suicidas com elas,

 

E te libertas das canções envenenadas pelo silêncio

Teu corpo

Meu corpo

Menino sem Pátria

Menino das sandálias e dos calções;

Teu corpo

É o meu corpo

E tu

Meu querido corpo sonâmbulo

Abres a mão

Abres a mão e esperas que cada pingo de chuva

Seja apenas uma palavra…

 

Nada mais do que uma palavra

Uma palavra disfarçada de pingo de chuva.

 

 

 

 

Alijó, 17/12/2022

Francisco Luís Fontinha


28.11.22

Poiso nos teus lábios a lareira da paixão,

 

Pequena flor

Em meu triste olhar,

 

E este barco cansado

Perdido neste grandioso mar,

Este barco apaixonado

No silenciado luar,

 

Este barco ancorado

Aos teus seios de amanhecer,

Sou este barco fundeado

Nos versos de escrever,

 

Pequena flor

Em meu triste olhar,

 

Que o vento lança ao meu coração,

 

Este barco que não se cansa de navegar,

Enquanto invento no teu cabelo estrelas de muitas cores,

Este barco de amar,

Amar todas as flores,

 

Pequena flor

Em meu triste olhar,

 

Do meu olhar

Tua dor,

 

Nos teus lábios a lareira da paixão.

 

 

 

Alijó, 28/11/2022

Francisco Luís Fontinha


25.01.22

Não chores

Enquanto sopra o vento,

Porque nas tuas lágrimas choradas,

Dentro do poema sofrido,

Habitam almas cansadas,

Cansadas por terem morrido.

 

Não chores

Enquanto sopra o vento,

Porque nesta triste cidade,

Vive um pobre mendigo,

Mendigo de verdade:

Triste, só e arrependido…

 

 

 

Alijó, 25/01/2022

Francisco Luís Fontinha


30.11.21

Trago no peito

A equação do silêncio.

Às palavras que escrevo,

Peço perdão à madrugada,

Sentado nesta pobre esplanada,

Sentindo o vento na face oculta da solidão;

Trago no peito

A equação do silêncio,

Um pedacinho de saudade,

Trago no peito a sílaba envenenada,

E um pedaço de pão.

 

Trago no peito

O feitiço da alvorada,

Quando cansado me deito,

Me deito sem saber nada.

 

Trago no peito

A equação do silêncio,

Um pedaço de pano,

Onde me abraço,

Sem perceber que amo,

Amo este pobre cansaço.

 

Trago no peito

Os cigarros fumados,

Os pedacinhos em papel onde escrevi,

Trago no peito

Marinheiros abraçados,

Marinheiros que nunca vi,

Marinheiros desgraçados.

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 30/11/2021


11.10.21

Descia sobre mim

A velocidade do sono.

 

Dos cortinados da ausência,

Percebia-se que a tarde se iria suicidar

Na manhã transeunte de Inverno,

Saltitando de maré em maré,

Pulando os socalcos do inferno,

Até encontrar o mar.

 

Estava escrito na minha infância,

Que uma cidade rabugenta

Subia a montanha,

 

Até beijar a boca que alimenta

A fome trapézica do veneno… ou a morte de Zeus.

 

E corria

Na sombra magenta que apanha

O cansaço de Deus,

 

Que tudo ele podia,

Que tudo era apenas uma cidade ardida,

Que tudo ele sentia,

Sentia a dor da mãe ferida.

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 11/10/2021


27.09.21

Este silêncio de morrer

Que habita em mim

São palavras de escrever

São cravos do meu jardim.

 

São palavras de escrever

Na sombra do luar

Que iluminam esta cidade a arder

Esta cidade de amar.

 

Este silêncio de morrer

Dos teus seios em fúria madrugar

No verso de viver,

 

No verso de minha amada.

Estas palavras de amar

São as palavras da canção desejada.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 27/09/2021

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub