Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...


16.10.23

Sonho-te junto a este amontoado de sombras

De riscos invisíveis

Suspensos no tecto da insónia

Sonho-te junto a este amontoado de sombras

De palavras adormecidas

De poemas

E dias

E poesia envenenada

Sonho-te cansaço nocturno da madrugada

Flor em papel

Lâmina de sono

Nos teus lábios

 

Sonho-te junto a este amontoado de sombras

De corações de púrpura manhã sem nome

Tal como eu

Que também não tem nome

Tal como eu

Que também sonho

Que desenho

E me escondo

No cimo da montanha

 

Sonho-te junto a este amontoado de sombras

De inúmeras janelas viradas para o mar

Do mar dos teus olhos

Aos olhos do teu mar

Pertinho dos rochedos

Pertinho do céu

Sonho-te acreditando que as nuvens são os teus lábios

E nos teus lábios há uma janela

Uma janela especial

Onde te sonho

E beijo

No cimo desta montanha.

 

 

16/10/2023


30.09.23

Da minha janela,

Da minha janela, meu amor, um pássaro que canta,

Digamos que está feliz

E encanta

Este pobre rapaz

Este pobre… petiz,

 

Da minha janela,

Pessoas apressadas,

Mulheres em correria, compras, noites cansadas,

Um poema que morre

E um poema que se suicida no teu olhar,

 

Da minha janela, meu amor,

Nada,

O que tem a minha janela que todas as outras janelas não têm?

O mar,

A minha janela tem o mar

E os segredos do teu olhar,

 

Da minha janela, meu amor,

Nada,

Não tenho cortinado,

Na minha janela,

Da minha janela, uma flor,

Os teus olhos…

E um poema que se encanta

Com a minha janela,

Com o teu sorriso de oiro adormecido,

 

À janela,

Da minha janela,

Meu…

Pedaço de pigmento abraçado à insónia…

Desta janela,

Sem nome,

Sem cortinado…

 

Da minha janela,

Coitada da minha janela…

Ela está sempre triste,

Ela está sempre maldisposta comigo…

Da minha janela,

Os teus lábios de mel,

A Princesa das noites sem janela,

Desta janela, meu amor,

Desta janela apenas recebo os teus beijos…

 

 

30/09/2023


29.09.23

Abraça-me enquanto esta equação

Se resolve na contraluz do desejo

Abraça-me no limite inferior da paixão

Quando da integral do silêncio… recebo um beijo

 

Abraça-me enquanto Deus não me vem buscar

Abraça-me antes que esta equação deixe de ter sentido

Que esta equação se transforme em mar

E depois num qualquer sorriso sofrido

 

Abraça-me na lentidão da noite escura

Das flores envenenadas

E das palavras e da solidão que dura

 

Eternidades de permanente desassossego

Abraça-me em todas as madrugadas

E sem medo

 

 

29/09/2023


26.09.23

Ofereço-te esta flor de lótus

Que acordou do poema

Ofereço-te um beijo

Que mergulhou no poema

E viaja em direcção ao mar

Ofereço-te a minha mão

Que pega no teu cabelo

Onde escondes a flor de lótus

Que eu te ofereci

 

Ofereço-te poesia

Ofereço-te palavras

E as tristezas do dia

E as tristes madrugadas

 

Ofereço-te esta flor de lótus

Como palavra ou confissão ou oração

Enquanto procuro nos teus lábios

Os segredos do luar

E as sombras da noite

Que te atormentam

E te ofereço

Esta flor de lótus

 

Ofereço-te esta flor de lótus

Que acordou do poema

Ofereço-te um beijo

Que mergulhou no poema

E viaja em direcção ao mar

Como se fosse uma lágrima

Não de uma lágrima de chorar…

Como se fosse uma lágrima de amar

Este porto transatlântico sem nome

E que transporto nos ombros.

Por tudo. Ofereço-te esta flor de lótus. E um punhado de fome.

 

 

26/09/2023


26.09.23

Abraço-te com os meus braços de cinzento silêncio

Beijo-te com os meus lábios de mar encarnado

Pego na tua mão

E dançamos sobre a espuma do desejo

Abraço-te e beijo-te

Enquanto um pedaço de dia

Se perde na tua mão

Abraço-te com os meus braços de invisível paixão

Enquanto respiras ofegante

Dos cigarros que fumamos

Dos cigarros e lançamos sobre a espuma dos dias

Beijo-te e beijo o teu ombro

Onde brinca uma sanzala de prata

Com perfume de infância

Abraço-te com os meus braços de cinzento silêncio

Pássaro nocturno

Estrela Polar dos meus olhos…

E beijo-te e beijo os teus seios…

Antes que regresse o primeiro vagão da manhã

E com ele

A tristeza

 

 

 

26/09/2023


24.09.23

Meia-noite

O teu corpo silencia-se nos meus lábios

Sinto medo

Tenho medo de que o teu corpo se vista de folha de papel

E voe para o mar

E fique eternamente no mar

 

Tenho medo que os meus lábios

Machuquem o teu corpo

Quando é meia-noite

E tenho nas mãos o desejo

Tenho medo

Tenho medo que seja meia-noite

 

E que o teu corpo se confunda com um beijo

Tela adormecida na parede do teu olhar

Não tem nome

Ele

Não tenho nome

Eu

 

Meia-noite no teu corpo

Meia-noite de prazer

Quando numa outra longínqua meia-noite

Te peguei devagarinho

Tão devagarinho que a Terra parou de girar…

E o teu corpo ficou eternamente meia-noite

 

 

24/09/2023


20.09.23

Tens no olhar o feitiço incêndio das amendoeiras em flor

Que aprisiona

Que afugenta

As marés sem madrugada,

Feitiço

Coisas de quase nada

Tens no olhar o feitiço invisível da insónia menina

Que brinca no jardim

E saltita por entre as flores

Tens no olhar o feitiço

Primeira página de um livro

Primeira palavra de um poema…

 

Tens em ti o feitiço

De um simples olhar

Na equação complexa do desejo

Tens no olhar o feitiço beijo

Quando a manhã desenha sorrisos

Nos vidros da paixão,

 

Tens no olhar um sorriso

Um feitiço beijo no feitiço sorriso do teu olhar…

Tens no olhar a claridade do dia

Sem nuvens

Com sol

E ao longe

A lua que olha…

O feitiço do teu olhar.

 

 

20/09/2023

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub