Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...


30.09.23

Amo os teus olhos de mar

Teus lábios de mel

Amo o luar

E esta pequena folha de papel

 

Amo o silêncio do teu cabelo estrelar

E as tuas palavras que crescem a cada madrugada

Amo sonhar

Sonhar cada palavra

 

Amo o poema que se solta da poesia

Quando da chuvinha da manhã sem nome

O poeta sem dia

 

Não se cansa de correr

Do dia que não come

No dia que vai nascer

 

 

30/09/2023


29.09.23

380130449_7494409417243126_3599849146359957949_n.j

A galeria-boutique El Capitan fica na Foz do Arelho.

Conheci a artista plástica Zahra Aghamiri, descendência Iraniana, pai Iraniano, mãe Americana e marido Inglês.

 Gostei imenso dos seus trabalhos, conversamos sobre as suas origens, processos criativos e ainda deu para tirar uma foto e fazer-lhe um convite para visitar o nosso lindo Douro.

Que tenha muito sucesso.


29.09.23

Abraça-me enquanto esta equação

Se resolve na contraluz do desejo

Abraça-me no limite inferior da paixão

Quando da integral do silêncio… recebo um beijo

 

Abraça-me enquanto Deus não me vem buscar

Abraça-me antes que esta equação deixe de ter sentido

Que esta equação se transforme em mar

E depois num qualquer sorriso sofrido

 

Abraça-me na lentidão da noite escura

Das flores envenenadas

E das palavras e da solidão que dura

 

Eternidades de permanente desassossego

Abraça-me em todas as madrugadas

E sem medo

 

 

29/09/2023


28.09.23

Semeio as minhas palavras

No curvilíneo teu corpo

Madrugada em desalinho

Neste pequeno leito em linho

Meu doce grama de saudade

Semeio as minhas palavras

Dentro de ti

Em ti

Madrugada

Sentido rio que se esconde em tua mão deserta

Liberta do meu pulso

Da caneta que te escreve

E inventa nos teus seios…

O beijo.

 

Semeio em ti doce madrugada

As alegres

E as tristes

Minhas amargas palavras

Meus poemas em teus lábios

Quando me beijas e eu sinto a frescura da manhã

Em fuga

E se esconde na fogueira do silêncio…

 

Invento em ti a enxada

Que desbrava a terra ensanguentada

Das guerras

Da fome

Do infeliz desejo que queria ser…

O sonho

No sonho de escrever nos teus lábios

Todas as equações que o corpo absorve

E come

E lambe…

Toda a tua pele de saudade.

 

Semeio as minhas palavras no teu púbis

E à janela do nosso quarto

Ele que nos olha

Que nos sente

E mente…

Ele…

O agricultor de palavras

Da enxada

Do livro prateado

Sobre a mesinha-de-cabeceira…

E no entanto

Semeio-te com as minhas palavras

Na tua pele

Nos teus lábios

Na tua boca.

 

E eu

E eu sou o louco

O que pensa muito

O que não devia pensar

Pensando que te desejo dentro deste livro secreto

Que deixo sobre o aparador

Ao deitar

Meia drageia de saudade

E no entanto

Escrevo em ti de ti o que que preciso de escrever

Do amar

Do que me amas e não devias amar

Porque sou apenas um agricultor

Um agricultor de palavras.

 

 

28/09/2023


28.09.23

Desenho no teu ombro um beijo

Pego a tua mão de silêncio amedrontado

Acaricio-a e escrevo nela

O quanto te amo

E desejo dentro deste pequeno círculo de insónia

Perco-me e olho o tecto onde está pintado o mar

Oiço a tua respiração ofegante

Dos cigarros fumados

Aos cigarros que nos vão matar…

Pego na tua mão

E beijo o teu sonolento ombro

Como se fosse uma espada de medo

Em guerra com todas as árvores da floresta

 

Beijos os teus lábios

Tu olhas-me e beijas a minha mão

Mão que grita e escorraça a escuridão do nosso leito…

Mão que pega no lençol do desejo

E o esconde no teu ventre

Desenho no teu ombro um beijo

Pego a tua mão de silêncio amedrontado

Acaricio-a e escrevo nela

O quanto te amo

Dentro desta planície de palavras

Que te as ofereço

Embrulhadas nos meus beijos;

Amo-te.

 

 

28/09/2023


28.09.23

Afasta-te de mim

Afasta-te da minha voz

E das minhas mãos

Afasta-te das minhas palavras

Das minhas noites…

E das minhas equações

Afasta-te do meu olhar

Afasta-te dos meus poemas

Os que escrevi

E os que irei escrever

Afasta-te do meu mar

E dos meus sonhos

Afasta-te da lua a crescer

E do luar

Poisado nos meus braços

Afasta-te dos meus beijos

E dos meus cansaços

E afasta-te dos meus livros

Que escondo nos meus abraços

 

 

 

28/09/2023

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub