Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...


28.07.23

20230728_194750.jpg

Não vou falar mais contigo sobre a tristeza

Já estamos todos numa outra Galáxia

Não vou falar mais contigo sobre o vento

Sobre as acácias da minha infância

Não me importo

Olha

Sabes

Onde descobri que não estou louco

Não?

Não pai

Cansado

Muito cansado diz o nosso amigo

 

Não vou falar mais contigo sobre o AL Berto que às vezes te lia

E a mãe achava mais piada de que tu

Como sempre

 

Não vou falar mais contigo sobre a tristeza

Sobre a pedra cinzenta onde me sento

E escondo

O meu mar

Não falar mais contigo sobre os meus desenhos

Porque não me apetece

Porque não quero falar mais contigo sobre a tristeza

 

Não vou falar mais contigo sobre as fotografias que herdei de ti

E eu que sou poeta

Não tive nem um terço das donzelas que tu tiveste

E no entanto

E, no entanto, parecias um morcão

E quando estávamos juntos

Éramos dois morcões…

Dois morcões que eram apaixonados pela noite

E pelas mãos e pelos lábios

Da noite.

 

 

 

28/07/2023

Luís


24.07.23

A cidade come-me

A cidade se alimenta de mim

A cidade inventa outra cidade

Com outro nome

Com outra idade

E outro jardim

 

A cidade mata-me

A cidade crava no meu peito o punhal da ausência

A cidade inventa

A cidade lamenta

A outra cidade da minha infância

 

A cidade come-me

A cidade se alimenta de mim

A cidade dorme

A cidade tem fome

Da cidade sem jardim

 

 

 

24/07/2023


23.07.23

Olho o teu retracto

E olha…

Quem diria

Estás com muito bom aspecto

E até pare que os anos não passaram por ti.

 

Olho o teu retracto.

Escondo no teu retracto, o meu retracto

Um qualquer

Pode ser no Mussulo

Pode ser aqui

Ou ali.

 

Olho o teu retracto

E olha…

Quem diria

Parece que os anos se esquecem de ti

E se lembram de mim.

 

Olho o teu retracto

E confesso-te

Que começo a odiar o teu retracto

E todos os meus retractos.

 

Olho o teu retracto

E não vejo nada

Nem um sorriso disfarçado

Tão pouco

Os segredos da madrugada.

 

Olho o teu retracto

E vejo o meu rosto abraçado a um baloiço

E enquanto me transmites a força necessária para eu voar…

Eu olho o teu retracto

E no teu retracto

Escuto os silêncios do mar.

 

 

 

23/07/2023

Luís


23.07.23

20230723_192142.jpg

 

Suicido-me com o primeiro sorriso da manhã

Agarro-me ao vento

Abraço-me ao vento

E peço

E peço ao vento

 

Suicidar-me com o primeiro silêncio da manhã

Nas palavras que escrevo

E que lanço

Sobre o papel

 

Suicido-me com o primeiro abraço da manhã

Quando Deus desliga as estrelas

E lança sobre a Terra a alegria

De quem pensa

Que não pensa

Que a poesia

É vida

E que da vida

Suicido-me com o primeiro desejo da manhã

 

Suicido-me com o primeiro olhar da manhã

E que Marte me escuta

E me vai levar

Para as suas planícies

 

Suicido-me com o primeiro grito da manhã

Que na madrugada cresceu

E na minha mão

Depois de me suicidar com o vento…

Morreu

 

Suicido-me com o primeiro lençol de tristeza

Que no mar habita

Sem saber quando é dia

Sem saber quando é noite

Porque se suicidou ele com um beijo

E apenas sabe

E nunca se esquece

Que o poeta se suicidou…

Com a palavra; Amo-te.

 

 

 

 

23/07/2023

Francisco


23.07.23

Nunca soubeste o que era chorar

E choraste de dor

Na dor.

Desenhaste gritos no meu olhar

Enterraste nos meus lábios

O cansaço de estar vivo

Nunca soubeste o que era chorar

E choraste de dor

E tiveste medo

Quando nunca tinhas tido medo.

 

Nunca soubeste o que era chorar

E choraste de dor

Na dor.

 

Nunca soubeste o que era chorar

E choraste de medo

Quando o teu medo

Era apenas um silêncio

E o meu silêncio

O teu medo

De também eu ter dor.

 

Nunca soubeste o que era chorar

E choraste de dor

Na dor.

Nunca soubeste o que era ter medo

E choraste com dor

O meu medo

Juntamente com o teu medo.

Nunca soubeste o que era chorar

Tão pouco a que horas acordavam dentro de mim…

Todas as personagens da minha vida…

E choraste

E tiveste dor…

Na partida.

 

 

 

23/07/2023

Luís

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub