Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cachimbo de Água

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...

Blog de Francisco Luís Fontinha; poeta, escritor, pintor...


31.08.22

Entre parêntesis,

Este corpo desgovernado,

Entre parêntesis,

Estas mãos à procura de pão,

Entre parêntesis,

Este sonho cansado,

Entre parêntesis,

Esta mão

Que não chora,

Entre parêntesis,

Entre o vento mal-amanhado,

Descendo a calçada,

Subindo às montanhas em delírio…

Entre parêntesis,

Este corpo desgovernado,

Neste silêncio inventado,

Entre parêntesis,

Este poema enforcado,

Antes de acordar o luar,

Antes de acordar a madrugada…

Entre parêntesis,

Esta mão que não chora,

Porque esta mão de pintar…

Dorme em ti, como dormem os peixinhos do mar.

 

 

Alijó, 31/08/2022

Francisco Luís Fontinha


31.08.22

Nos lábios de uma abelha

Poisa um pedacinho de mel,

Tão fresca como a manhã,

Tão feiticeira

 

Como a água da ribeira.

Nos lábios de uma abelha

Brinca uma mão desejada,

Que de socalco em socalco,

 

De enxada em enxada,

Voa em direcção à madrugada.

Nos lábios de uma abelha

Dança um olhar encantado,

 

Tão só…

E tão desejado.

Nos lábios de uma abelha

Poisa um pedacinho de mel…

 

Tão só, tão só…

No sorriso do luar.

Nos lábios de uma abelha…

Um pedacinho de mel com olhos de mar.

 

 

Alijó, 31/08/2022

Francisco Luís Fontinha


30.08.22

(de todos os meus professores, guardo saudade e amizade; mas o professor Mário Abrantes, conseguia aliar a arte ao cálculo, e as suas aulas eram um poço de cultura geral. Grande abraço, professor)

 

Tínhamos na mão

As sete esferas da saudade,

E sabíamos que dentro do cubo de vidro,

(a prisão das palavras)

Havia uma janela com fotografia para o mar.

Depois, acordávamos abraçados às sete espadas da liberdade

Que guardávamos dentro de um caderno quadriculado.

Víamos a nossa imagem no espelho da madrugada,

Quando nas frestas em gesso, um crucifixo sorria…

E dávamos conta que este sorriso pertencia

À criança mais feliz da aldeia.

As palavras chegavam-nos através da velha alvorada,

 

Enquanto sobre as mangueiras,

No distante quadrado, víamos as gaivotas em cio,

E não percebíamos o que era a paixão.

Escrevíamos.

Dançava-mos sobre os pequenos charcos

Que pela manhã acordavam e ainda transportavam no olhar

O desejo preguiçoso que só o poema consegue descrever.

Tínhamos na mão

As sete esferas da saudade,

E como crianças que éramos, das palavras

Inventávamos asas

Como inventam os pássaros antes de morrer,

 

E não sabíamos que os peixes,

Entre parêntesis sonâmbulos,

Resolviam equações complexas,

Que apenas o professor Mário Abrantes percebe,

E nós, apenas percebemos de desejo.

E nunca sabíamos se as sete esferas da saudade

Sabiam o que é o mar…

O que é o mar?

Perguntava-me um pedacinho de sombra

Quando descia o pôr-do-sol e junto a mim,

Sem o saber… um pedacinho de luz beijava-me,

E eu tinha medo do sono.

 

Acordava a manhã,

No quadro uma mistura e letras e números…

Quando perguntam o que era…

Eu…

Série de Taylor;

Como se isso interessasse para dois cubos apaixonados.

Não sei o que é a chuva!

Apenas recordo os longos lábios de cacimbo

Sobre os meus frágeis ombros,

E mesmo assim,

Um barco deitava-se no meu colo,

E das suas coxas, ouviam-se os apitos da solidão.

 

 

 

Alijó, 30/08/2022

Francisco Luís Fontinha


30.08.22

Quando se enforca

No silêncio das palavras,

O poeta enforcado,

Voa como voam as serpentes sobre o mar,

 

Pinta na proa de um velho barco,

Em pequenos pedacinhos de nada,

As laranjas amargas

Que escutam na madrugada

 

A invisível insónia.

O poeta chora.

Quando se enforca

No silêncio das palavras,

 

O poeta enforcado,

Olha a mulher que transporta no ventre

A eterna vida; e uma flor

Poisa como uma abelha

 

Na Primavera.

Quando se enforca

No silêncio das palavras,

O poeta enforcado…

 

Finge ter na sua lápide,

O sono e a solidão.

E a serpente que voa sobre o mar…

Transforma-se em sombra que encobre as cidades de lata.

 

 

Alijó, 30/08/2022

Francisco Luís Fontinha


29.08.22

Se estas mãos acantonadas

Escrevessem nas páginas sonâmbulas

Do meu pedacinho de mel,

Se estes olhos em lágrimas luar

Poisassem nas tuas pétalas encantadas,

O poema voava sobre o mar…

E as minhas palavras amarguradas

Morriam nos lábios de uma abelha,

 

E da noite acordaria a paixão.

E se o meu pedacinho de mel

Voasse nos meus braços,

A tela fantasma da solidão

Transformar-se-ia em luz…

Depois de adormecer a alvorada.

Se estas mãos acantonadas

Escrevessem nas páginas sonâmbulas

 

Do meu pedacinho de mel,

A noite pincelava-se de dia,

Como as flores tristes dos finais de tarde.

Se o meu pedacinho de mel

Dançasse na madrugada,

Desenhar-se-ia nas nuvens

A enxada desgovernada do silêncio

Em pequenas gotículas de desejo.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 29/08/2022


28.08.22

Quando o corpo incendeia

As tristes marés da madrugada,

E sobre a ponte invisível do luar,

À meia-noite, uma flor de espuma,

Dorme na mão que semeia

O beijo de mar;

E peço à Virgem bruma

Que desenhe na alvorada,

 

Esta pequena canção de saudade.

Quando o corpo se enfeita de amanhecer

Nas sonâmbulas estrelas que habitam na cidade,

E o corpo é desejado,

E por vaidade,

O poeta enforcado,

Sem o saber,

Dorme junto ao mar…

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 28/08/2022


27.08.22

Porque te aprisionas

Nas nuvens da madrugada,

Porque te escondes nas palavras

Das noites magoadas,

Porque danças no amanhecer,

Porque habitas nesta estrada…

Porque és poema canção,

Canção de escrever,

Escrever coisa nada.

Porque és pedacinho de mar

Das tardes em revolução,

Porque voas na boca amar

Das palavras em construção,

Porque iluminas as noites sem dormir

E nas noites de luar…

Porque teimas em não sorrir,

Sendo tu um pedacinho de mar.

Porque te aprisionas

Nas nuvens da madrugada,

Quando o teu cabelo é samba,

Nos ventos de nortada.

Porque és pedacinho de mar

Menina das telas adormecidas,

E quando começas a voar…

Voar sobre as horas perdidas,

Sobre as mangueiras de infância…

Porque choras, pedacinho de mar

Nas marés esquecidas.

O traço no teu corpo desejado,

O silenciado beijo na boca do inferno

Em lágrimas mãos do poeta…

Meu pedacinho de mar ancorado,

Nas tristes rochas lunares,

Meu pedacinho de mar

Te peço para não chorares,

E te peço para voar…

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 27/08/2022


25.08.22

Sinto-o…

Este mar da infância

Que nos separa em desejo,

Este mar poema,

Neste mar teu beijo,

Sinto-o…

Este mar desenhado

Entre os nossos corpos de amanhecer,

Entre os nossos lábios de alvorada,

Sinto-o…

Este mar de escrever

Ao teu corpo abraçado;

Sinto-o…

Este mar sem pátria,

Quando nos teus olhos

De amêndoa encantada…

Vê este mar da infância.

Sinto-o…

Quando o teu corpo semeado pelo vento

O meu mar… te deseja.

 

 

Francisco Luís Fontinha

25/08/2022


23.08.22

 

Vivíamos dentro de uma pequena caixa de sapatos, tamanho trinta e dois. Quando descíamos a rua, do lado direito, junto à farmácia, ouvíamos as gaivotas que tínhamos trazido de Luanda e quando acordava o sol, às vezes sim, outras, nem por isso, eu inventando noites de luar que partilhava com os velhos triciclos com assento em madeira e que devido à idade, todos os parafusos e porcas rangiam como rangiam os duzentos e seis ossos do meu avô Domingos; antes de o barco zarpar, percebia que a minha mão minúscula era suficiente preguiçosa para desenhar nuvens de despedida nos céus de uma cidade a desaparecer no horizonte, como desapareceram todos os papagaios em papel da minha infância.

O dinheiro era minguo e apenas dava para beijos, carinho e fatias de felicidade, que ainda hoje, passados mais de cinquenta anos, recordo como saudade.

Nunca gostei da escola. Enquanto a professora ensinava as diversas matérias e de casa, todos nós, eu e os meus colegas, levávamos os ensinamentos de respeitar os professores, funcionários e nunca esquecer, os mais velhos; hoje, parece que esses ensinamentos deixaram de existir e os putos, por tudo e por nada, fazem birras imbecis fruto da educação que têm em casa… e uma palmada no rabo nunca fez mal a ninguém.

Quando acordávamos, em pleno Inverno, os cortinados eram substituídos por finos fios de geada, pois as janelas, por cansaço ou outra qualquer razão, eram desprovidas de vidros, que na altura já era um grande avanço tecnológico, já tínhamos ar condicionado natural.

O avô Domingos passeava o machimbombo pelas ruas de Luanda, e quando regressava ao final da tarde, eu esperava-o sentado em cima do portão, porque sabia que receberia abraços e beijos; e trazia-me sempre um pedacinho de mar invisível na algibeira.

Aos Domingos, aproveitava-me da paciência do meu pai e íamos até ao porto de mar olhar os barcos; a minha paixão de criança. Olhar os barcos e inventar círculos de luz sobre o azul-mar que ainda hoje guardo no peito.

E assim fui crescendo, dentro de uma pequena caixa de sapatos número trinta e dois e nunca esquecendo o silêncio do Mussulo.

 

 

Francisco Luís Fontinha

23/08/2022

Pág. 1/3

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub